sexta 22 outubro 2021
Editorial

Reconquista coletiva

O despacho do delegado geral da Polícia Federal, Paulo Maiurino, datado de 16 de setembro, transcrito na íntegra na edição do dia 20, mantendo a delegacia da corporação funcionando em Jales teve apenas cinco linhas, mas foi suficiente para sepultar sob sete palmos de terra os boatos de desativação que tanto inquietaram autoridades e moradores dos 44 municípios atendidos.

Do ponto de vista macro, isto é, do interesse do país, tirar a delegacia de uma cidade situada a 40 quilômetros de Minas Gerais e Mato Grosso do Sul, com conexão para Goiás e Mato Grosso, seria abrir as portas para o crime organizado, especialmente tráfico internacional de drogas. Como foi escrito nesta coluna, um crime de lesa-pátria.

Em termos de prestação de serviços, desativar a unidade sediada em Jales equivaleria a complicar a vida dos moradores dos municípios servidos pela instituição.

Mas, o melhor de tudo, foi constatar que as lideranças de Jales mantiveram a tradição cultivada ao longo destes 80 anos de história. Na hora do “vamos ver”, esquecem-se as divergências, adversários se unem, todos remam na mesma direção e o rio corre para o mar.

Vamos aos fatos. O sinal de alerta foi dado por dois vereadores de primeiro mandato —Ricardo Gouveia (PP) e Hilton Marques. Os dois se manifestaram na mesma data. O primeiro questionando o superintendente da PF em São Paulo e apelando até para Ministério Público Federal em Jales. O segundo acionou um cabeça coroada do PT, deputado federal Alexandre Padilha, ex-ministro da Saúde, que perguntou se havia estudos técnicos que justificassem o fim da unidade.

Foi a partir destas duas intervenções que entrou em cena o Fórum da Cidadania, cujos integrantes, representantes de 17 instituições, assinaram manifesto fazendo ver ao andar de cima através de consistente exposição de motivos, que, caso se concretizasse, a desativação da delegacia seria um tiro no pé.

O firme posicionamento dos juízes das comarcas que constituem a 55ª Circunscrição Judiciária Estadual e dos promotores de justiça da mesma área, além da Polícia Civil de toda a região, também foi um fato positivo e, convenhamos, exercício de cidadania.

Com todo esse material debaixo do braço, o prefeito Luís Henrique Moreira, agendado pelo deputado federal Fausto Pinato, bateu às portas do gabinete de Ciro Nogueira, ministro-chefe da Casa Civil.

Em resumo, tanto quanto a conquista da Polícia Federal em 7 de dezembro de 2001, a reconquista neste setembro de 2021 foi um trabalho de construção coletiva.

Uma boa trilha sonora para comemorar a reconquista seria o estribilho do nosso hino: “Povo unido/somos pilares/Pedacinho de Brasil/Assim é Jales”.  

Desenvolvido por Enzo Nagata