domingo 17 outubro 2021
Geral

Livro sobre pintor primitivista recupera imagens históricas de Jales

Armando eternizou em suas telas imagens dos primórdios de Jales

Se vivo estivesse, o trabalhador rural Armando Pereira da Silva teria hoje 68 anos. Infelizmente, faleceu precocemente em 2002, aos 49, sem tempo de ver suas telas compiladas em livro lançado na manhã de 2 de outubro, no espaço externo da Lareto-Presentes e Adegas.

De autoria do ativista cultural, compositor e instrumentista Luiz Carlos Seixas, de família de pioneiros, o livro é uma síntese do trabalho daquele boia-fria que, sem nenhuma formação acadêmica, acabou se tornando o maior pintor primitivista da história da região. Nascido em Suinana, zona rural de Altair, ele chegou em Jales em 1952, morando em vários bairros rurais da jovem cidade.

Como explicou o autor, Armando começou a pintar usando as costas dos calendários oferecidos pelos estabelecimentos comerciais. Descoberto pelo sitiante José Mendes de Seixas, no final da década de 60, ele expôs seus primeiros trabalhos no antigo prédio da Câmara Municipal —desenhos a lápis feitos em cartolina.

Luiz Carlos Seixas, autor do livro, autografou um exemplar para Cristina, filha de Armando 

Fotos: Josiane Bomfim 

Desenvolvido por Enzo Nagata