Editorial

A gritaria valeu!

Não foram poucos os observadores do cotidiano jalesense que qualificaram a manifestação de comerciantes realizada no dia 15 de março, com carreata, buzinaço e concentração na porta da Prefeitura Municipal, como um disfarçado comício dos bolsonaristas da cidade.

Como o alvo principal dos inflamados discursos dos manifestantes era a Fase Emergencial do Plano São Paulo, que excluiu inúmeros segmentos das chamadas atividades essenciais, diminuindo a capacidade de sobrevivência de micros e pequenas empresas, ficou parecendo que se tratava de um ato pró-Bolsonaro.

Talvez por conta do ambiente de polarização política que sacode o Brasil de norte a sul e porque não faltaram gritos de “fora Dória”, sobrou até para o prefeito Luís Henrique Moreira, eleito pelo PSDB e vice-presidente do Diretório Municipal do partido, cuja presença foi insistentemente reclamada pelos exaltados manifestantes.

Como relatou reportagem deste jornal, com o título de “O Grito dos Excluídos” na chamada de capa, a temperatura só foi suavizada a partir do momento em que o chefe do Executivo concordou em receber em seu gabinete representantes do grupo e escutar suas demandas, descartando de cara, porém, qualquer possibilidade de liberar os setores não contemplados no Plano São Paulo.

Alegou LH que tal possibilidade era impraticável até porque tinha chegado à Prefeitura naquele dia orientação do promotor de justiça Wellington Villar, em nome do Ministério Público Estadual, recomendando aos prefeitos dos municípios da comarca que não mexessem uma vírgula do decreto governamental.

Vale lembrar também que a manifestação de Jales foi apenas uma demonstração microcósmica do que aconteceu em dezenas de outros municípios paulistas naquele período.

Pelo sim ou pelo não, o fato concreto é que a gritaria valeu. Tanto que, a partir da próxima quarta-feira,31 de março, os setores mais afetados pelos efeitos da Fase Emergencial terão acesso a duas linhas de crédito a serem liberadas através da agência Desenvolve SP e Banco do Povo Paulista.

De sua parte, a Prefeitura de Jales informou na última quinta-feira, 25 de março, que prorrogou o prazo de vencimento do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN) e da Taxa de Fiscalização e Funcionamento (TFF).

Pode ser que tais providências não resolvam o problema de todos, mas, sem dúvida, é um começo promissor.


Desenvolvido por Enzo Nagata