jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

VINÍCIUS CARDOZO:

“Atletas de alto rendimento estão migrando para o Basquete 3x3”
12 de maio de 2019
Vinícius: “estamos trabalhando para deixar o Basquete 3x3 ainda mais atraente para a televisão”
Capital interiorana do basquete no final dos anos 80 e até metade dos 90, Jales tem mais um filho da terra brilhando em uma atividade que tem tudo a ver. Trata-se do empresário Márcio Vinícius Junqueira Cardozo, 35 anos, formado em Educação Física, fundador e presidente da Associação Nacional de Basquete 3x3, a febre do momento nos grandes centros. O filho de Sílvia Junqueira Cardozo e Carlos Roberto Cardozo da Silva foi ouvido pelo Jornal de Jales sobre as perspectivas do Basquete 3x3, que já se tornou modalidade olímpica (D.R.J.)

J. J. - Como você chegou à presidência da Associação Nacional de Basquete 3X3?
Vinícius - Em 2007 meu irmão Carlos Roberto Junqueira Cardozo (Betão) estava aposentado das quadras, enquanto eu ainda jogava profissionalmente. Mesmo ano que a FIBA (Federação Internacional de Basquete) começou a desenvolver o basquete 3x3 e então fundamos a Federação Paulista de Basquete de Rua. Estávamos apenas na ata de fundação em 2007. Em 2012 ao vencer o mandato do 1° presidente, eu me candidato e sou o atual presidente com meu 2° mandato. Mudando o nome em 2012 para Associação Nacional de Basquete de 3 e assinando o 1° contrato com a FIBA na história do Brasil e do 3x3.

J. J. - Foi difícil transformar o basquete 3 X 3 em modalidade olímpica?
Vinícius - Enfrentamos muitas dificuldades até se tornar uma modalidade olímpica, a FIBA desenvolveu um plano mundial, porém não se acreditava muito. Falando em Brasil menos ainda. Também tem a questão do preconceito por ser uma modalidade com sua origem na rua. 

J. J. - Qual tem sido a receptividade dos meios de comunicação, especialmente a televisão, em relação à modalidade?
Vinícius - Por ser um produto novo atraiu muito interesse, teve seu ápice em 2017 com anuncio da entrada nas olimpíadas, tivemos algumas etapas televisionadas. Agora estamos na fase de aprimorar as competições e elevar o nível, atraindo clubes, equipes tradicionais e deixar o 3x3 ainda mais atraente para televisão.

J. J. - Já existem equipes profissionais praticando o basquete 3 X 3?
Vinícius - No desenvolvimento da modalidade, começamos a formalizar as equipes para ter um CNPJ e buscar apoio financeiro. Desta forma começa a surgir equipes profissionais no Brasil, mas ainda são poucas, a próxima etapa é trazer equipes, clubes e cidades tradicionais do basquete para o mundo do 3x3. Exemplos de equipes profissionais temos Corinthians, São Paulo DC, Rio Preto Guarani... São mais de 80 equipes filiadas em nosso site www.basquete3x3.com.br

J. J. - Qual o perfil dos jogadores de basquete 3 X 3: são ex-jogadores do basquete tradicional ou novos praticantes?
Vinícius - Como estamos em um processo novo, seu desenvolvimento e entrada nas olimpíadas foi bem rápido. O perfil do atleta 3x3 é bem variado e constantemente vem mudando. Começamos com uma massa que vinha do basquete de rua, dos parques e atletas que não tiveram oportunidade em clubes, grandes equipes ou até aqueles que tiveram uma vida curta no basquete tradicional. Quando começa a ficar sério com campeonatos com premiação em dinheiro, vaga para Mundiais, seleção brasileira, começa a surgir ex atletas profissionais (ex seleção brasileira do basquete tradicional) com alguns atletas com pouca expressão em quadra. Após a entrada nas olimpíadas temos a migração de atletas de alto rendimento para as quadras do 3x3. Mas em nossos torneios continuamos atendendo todos os tipos de atletas e público, dividindo as categorias por idade e por nível. Adulto masculino na 1° divisão jogam os atletas do alto rendimento que brigam por seleção, premiação em dinheiro e vaga para mundiais, e depois temos categorias mais lúdicas como sub 12, 15, 18 e + 35 para os veteranos.

J. J. - A Associação que você preside tem estatísticas sobre o número de praticantes da modalidade no Brasil?
Vinícius - Temo um movimento bem forte de atletas no Brasil, por esse motivo um respaldo grande da FIBA que nos dá esse suporte. Hoje são mais de 20 mil atletas brasileiro cadastrados no site da FIBA que já passou pelo 3x3. Atualmente temos a Liga ANB3 que garante 01 vaga para o mundial 3x3, 85 equipes filiadas na Liga e 510 atletas.
Esse desenvolvimento com muitos atletas e torneios de grande expressão nos credencia como n° 01 das Américas no ranking FIBA Combinado https://fiba3x3.com/en/rankings/federation.html