jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

Vereador quer proibir fogos de artifício com estampidos

Dados do Ministério da Saúde apontam que mais de 7000 pessoas, nos últimos anos, sofreram lesões em razão do uso de fogos.
18 de fevereiro de 2018
Vereador Tiago: o barulho dos fogos pode ser fatal para as pessoas e os animais
Quem soltar fogos de artifícios com estampido fica sujeito a multa de 2  UFMs (Unidades Fiscais do Município), ou cerca de R$ 400,00, quando o infrator for um cidadão em particular ou de 8 UFMs quando o infrator estiver relacionado a evento de qualquer natureza. É o que propõe projeto de lei do vereador Tiago Abra (PP) que deverá ser discutido na sessão ordinária da Câmara desta segunda-feira, dia 19 de fevereiro. 
De acordo com o projeto, fica proibido o uso de fogos de artifício que causem poluição sonora, como estouros e estampidos em todo o município, em ambientes abertos ou fechados, em áreas públicas ou privadas. 
O vereador justifica afirmando que a queima de fogos de artifício causa traumas irreversíveis aos animais, especialmente àqueles dotados de sensibilidade auditiva. Em alguns casos, os cães se debatem presos às coleiras até a morte por asfixia. Os gatos sofrem severas alterações cardíacas com as explosões e os pássaros têm a saúde muito afetada. Dezenas de mortes, enforcamentos em coleiras, fugas desesperadas, quedas de janelas, automutilação e distúrbios digestivos acontecem na passagem do ano, por exemplo, porque o barulho excessivo para os cães é insuportável, muitas vezes enlouquecedor.
Ainda segundo o vereador, os cães que não estão habituados ao barulho ou sons intensos geralmente reagem mal aos fogos de artifício. Alguns cães mostram-se incomodados, mas outros podem mesmo desenvolver fobias e entrar em pânico. Além de trazerem riscos aos animais, que são reféns do uso dos fogos, estes artefatos podem causar danos irreversíveis às pessoas que os manipulam.
ÓBITOS
O vereador apresenta dados da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia – SBOT, para afirmam que nos últimos vinte anos, foram registrados 122 óbitos por acidentes com fogos de artifício, sendo que 23,8% dos acidentados eram menores de 18 anos. Os casos de acidentes triplicam no período dos festejos católicos, no mês de junho, sendo a Bahia o estado com maior número de casos, seguido por São Paulo e Minas Gerais. Dados do Ministério da Saúde apontam que mais de 7000 pessoas, nos últimos anos, sofreram lesões em razão do uso de fogos.
 O vereador também se preocupou em afirmar que o projeto não tem como objetivo acabar com os espetáculos e festejos realizados com fogos de artifícios, mas apenas visa proibir que sejam utilizados artefatos que causem barulho, estampido e explosões, causando risco à vida humana e dos animais. Finaliza afirmando que o benefício do espetáculo dos fogos de artifício é visual e conseguido com o uso de artigos pirotécnicos sem estampido, também conhecidos como fogos de vista.