jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

Vereador desiste de pedir vista e projeto da Área Azul é aprovado por unanimidade

por Luiz Ramires
27 de agosto de 2017
Niltinho, secretario de Planejamento: “não haverá indústria de multas”
Ao contrário do que estava previsto, o vereador Tiago Abra (PP) não pediu vista do projeto de implantação da nova Área Azul nas ruas centrais da cidade que acabou sendo aprovado por unanimidade. Durante a semana ele confirmou a disposição de pedir vista dizendo que conversou com várias pessoas que fizeram críticas ao projeto, mas decidiu votar a favor depois de conversar com o secretário municipal de Planejamento, Nilton Suetugo que tirou todas as dúvidas que estavam lhe preocupando.
Tiago lembrou que a aprovação do projeto também implica em se firmar um termo de referência com acompanhamento da Câmara para sua execução. Nesse termo, como afirmou o vereador terá que constar tudo o que a empresa que vencer a licitação terá que fazer, como a tecnologia que deverá ser utilizada, os pontos de venda e até uma espécie de caução como garantia para que o serviço seja executado da forma com que será contratado.
Esse último item, como explicou o vereador, está sendo sugerido como garantia para se evitar o que aconteceu com a empresa Tetran que abandonou a área azul, deixando dezenas de trabalhadores desempregados e a cidade sem o seu serviço de estacionamento. 
Uma alteração que deverá ser feita no projeto, completou, é a expansão da área de estacionamento no centro que poderá ser feita a partir de estudos técnicos, com a aprovação da Câmara, como deverá acontecer com todas as alterações relacionadas à área azul, conforme entendimento com o secretário. Isso porque o projeto prevê o contrato por dez anos, podendo ser renovado por mais dez.

REGRAS
O secretário Nilton Suetugo acompanhou a votação do projeto e negou que o mesmo possa criar uma indústria da multa, como alguns críticos chegaram a comentar. As regras, segundo ele, praticamente não mudam, mas o valor da hora passa de R$ 1,00 para R$ 1,50.
Para evitar as multas o secretário afirmou que o motorista terá que se adaptar, seguindo as regras estabelecidas pela legislação federal de trânsito. Além disso, haverá um prazo de 48 horas para se regularizar uma situação que for considerada irregular, pagando 10 vezes o valor do cartão. E depois a pessoa pode recorrer da multa, se isso acontecer. Também haverá um prazo de 60 a 90 dias, para a adaptação ao novo sistema.
O termo de referência, afirmou o secretário, também será uma forma de garantir que a empresa vencedora ofereça mais alternativas ao usuário para adquirir o seu cartão, com sistema todo informatizado, mas também com vendedor , sendo que o cartão também poderá ser adquirido por celular.
Tudo isso está sendo preparado, segundo o secretário para que um número maior de veículos possa estacionar no centro da cidade, respeitando a rotatividade e aumentando o movimento no comércio.