jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

Vai haver Rebu?

Por José Renato Nalini
02 de dezembro de 2018
José Renato Nalini
Rebu é verbete de dicionário. Abreviação de “rebuliço”, tem o significado de confusão, desordem, bagunça. Já foi telenovela da Globo em 1974 e 2014. Incorporou-se na prosa popular.
Mas algo muito mais sério é a proposta de criação de uma Renda Básica Universal, cuja sigla é RBU. Lembra rebu, mas é uma ideia radical, hoje discutida em todo o planeta. Finlândia e Quênia, Califórnia e Índia. Todos acreditam que essa concepção de uma renda mínima será a alternativa para o crescimento da miséria e a extinção de postos de trabalho no futuro próximo.
Não é possível que um pequeno contingente de pessoas acumule riqueza insuscetível de ser utilizada durante uma vida útil – afinal, são algumas décadas, apenas, que nos é dado viver – e cresça a miséria de bilhões de seres humanos.
A justificativa para a RBU é a justiça social. Não é justo, nem legítimo, nem sensato, que pessoas morram de fome, quando a produção de riqueza é suficiente para manter um padrão de dignidade para todos.
A natureza – ou o que resta dela, é gratuita. A criatividade é um talento natural. A engenhosidade um dom espontâneo. Por que canalizar o lucro apenas para uma parcela da humanidade, se todos têm o direito de sobreviver?
Para os extremamente ricos, essa ideia é uma questão de sobrevivência. Não haverá segurança no planeta, se a massa continuar excluída e sem direito ao mínimo de dignidade existencial.
Essa concepção de “mínimo existencial” também já habita o discurso. Mas não repercute na prática, a perseverar na equação perversa do egoísmo insensato.
Outra ideia importante é reduzir a carga de trabalho, para que mais pessoas possam usufruir da laborterapia. O trabalho não é castigo, mas atividade prazerosa, quando se faz aquilo de que se gosta e com prazer. 
À medida em que a automação elimina operações rotineiras, cumpre reinventar possibilidades para que todos tenham condição de realizar algo e mereçam remuneração condizente. 
São questões que hoje não perpassam a consciência árida de quem pensa que está a salvo se mantiver a estrutura que até agora funcionou, mas que está a desmantelar-se. Então, preparemo-nos para a RBU, senão haverá o “rebu” generalizado, que já contamina alguns setores e que tende a prosperar na caótica situação de uma sociedade à deriva.

José Renato Nalini 
(é Reitor da Uniregistral, docente universitário, palestrante e conferencista, autor de “Ética Geral e Profissional”, RT)