sexta 22 outubro 2021
Eventos

Uva volta a ser um bom negócio

  Rafael Honorato
A Feira do Agronegócio da Uva e do Mel, que está em sua 10ª edição, começou 5ª feira, dia 3 e terminou ontem, 4 de outubro. Dessa vez, com estrutura menor do que a que foi vista no ano anterior, quando foi realizada no Recinto de Exposições Juvenal Giraldelli e teve grandes nomes do mundo sertanejo se apresentando, como as duplas Jorge e Mateus e Fernando e Sorocaba. O local escolhido foi um pouco mais singelo, o Centro Pastoral, e para as apresentações foi dada preferência para os artistas da região, como a Violada Cinco Estrelas, de Junior Ferreira, e o sanfoneiro mirim João Antônio.  Mas a mudança no lugar não interferiu em nada na qualidade dos produtos apresentados, muito pelo contrário, segundo os próprios produtores, essa foi uma das melhores feiras no que se refere à qualidade das produções.  
O público presente, além de admirar os produtos expostos, pôde fazer a compra dos mesmos para que sejam levados para casa.
Sandra Gigante, secretária municipal de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Meio Ambiente, informou que a feira esse ano teve mais de 500 caixas de uvas levadas pelos produtores. Os viticultores, segundo ela, estão muito animados, vendendo suas uvas a preços que chegam a R$8,00 o quilo, na propriedade, o que não acontecia há muitos anos. 
Como a uva é um dos principais produtos da agricultura regional, a secretária acredita que esse otimismo dos produtores  agora com mais recursos, acaba refletindo na economia do município, com mais vendas no comércio que também se fortalece.
Para realizar a festa, a comissão organizadora, formada pelos próprios produtores, contou com apoio técnico da Secretaria e ajuda financeira do Sindicato Rural.
EXPOSIÇÃO DE UVA
O produtor das variedades Itália e Benitaka, Cléber Mártir, proprietário da Chácara Nossa Senhora, em Urânia, disse ao Jornal de Jales que não tem o que reclamar do mercado da uva esse ano, principalmente da variedade Itália, que segundo ele está em falta no mercado. Conseqüentemente quem tem a produção da mesma está conseguindo ter uma boa lucratividade no momento, e a tendência é melhorar cada vez mais. O fruto vendido pelo produtor é levado para São José do Rio Preto e Campinas.
Já o produtor da variedade Brasil, José Carlos Mathias, proprietário do Sitio São José, no Córrego do Jataí, disse que a variedade por ele produzida não está em uma fase tão boa. Devido à grande oferta no mercado, os preços não estão tão compensatórios assim, mas ele garante não desistir da produção, apesar dos grandes gastos que tem com mão de obra e implementos agrícolas. A produção dele, como a da maioria dos produtores, é mandada toda para o CEASA de São Paulo. Tanto Cleber como José Carlos tiveram seus produtos escolhidos como melhores em suas variedades. 
EXPOSIÇÃO DE MEL
Daniel Rodrigues, produtor de mel com propriedade em Marinópolis, disse a fase para o seu produto está excelente, e a previsão é melhorar ainda mais. Sua produção abastece os supermercados, além de serem vendidas nas exposições que são realizadas em toda a região. Daniel, que é pedreiro, e tem a apicultura como complementação da renda, disse que se quisesse, na situação atual do mercado, daria para viver tranquilamente somente com a produção de mel.
 
Desenvolvido por Enzo Nagata