jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

UM A ZERO- O procurador Thiago Lacerda Nobre, que comandou o Ministério Público Federal em Jales durante cinco anos, voltou ao noticiário da grande imprensa na semana que passou.

Fique Sabendo
28 de janeiro de 2018
O atacante Neymar, que dá dribles desconcertantes nos zagueiros, agora está sob marcação cerrada do procurador Thiago Lacerda Nobre, que trabalhou cinco anos no Ministério Público Federal em Jales.
UM A ZERO- O procurador Thiago Lacerda Nobre, que comandou o Ministério Público Federal em Jales durante cinco anos, voltou ao noticiário da grande imprensa na semana que passou. Em matéria que abriu a página de esportes, o jornal O Estado de S. Paulo publicou  na quarta-feira, dia 14 de janeiro, informação que, investigado no Brasil e na Espanha por supostamente ter praticado os crimes de sonegação de tributos, falsidade ideológica e fraudes, Neymar sofreu derrota na Justiça  por tentar barrar cooperação internacional entre os dois países.

BOLA DE CURVA – O jogador do PSG tentava anular ato do procurador Thiago Lacerda Nobre, chefe do Ministério Público Federal de São Paulo, que enviou às autoridades espanholas documentos extraídos do Procedimento  Investigatório Criminal que apura eventual crime contra a ordem tributária acometida pelo atacante.

BOLA NAS COSTAS - O caso corre em segredo de justiça, mas o Estadão apurou que entre os documentos enviados pelo MPF à Espanha, está uma troca de e-mails entre integrantes da N&N Consultoria, empresa responsável por administrar a carreira do craque, e o pai do jogador, Neymar da Silva Santos. Na conversa, eles teriam acertado uma série de acordos com o objetivo de sonegar impostos durante o processo de transferência do jogador do Santos para o Barcelona.

IMPEDIMENTO- Por esta razão, o Ministério Público Federal acusa Neymar de ter usado uma das empresas da família, a N&N Consultoria, para receber empréstimos de 10 milhões de euros (R$ 39 milhões pela cotação atual) do Barcelona em novembro de 2011. O empréstimo, segundo os investigadores serviu apenas para tentar dissimular o pagamento adiantado de uma parcela para assegurar a contratação futura do jogador.

DRIBLE- Para tentar anular a validade do envio desses documentos à Espanha, Neymar e seus advogados alegaram que o compartilhamento das provas foi ilegal. Por isso pediram para a justiça suspender os efeitos jurídicos do procedimento de cooperação jurídica internacional, diante da probabilidade de ilicitude das provas ali carreadas, determinando-se ao Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional do Ministério da Justiça e Cidadania o envio de ofício às autoridades espanholas”.

CARTÃO VERMELHO – O desembargador federal Nuno Toldo, do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, no entanto, indeferiu o pedido de liminar e justificou  não ter havido “ilegalidade ou abuso de poder” no ato do procurador Thiago Lacerda Nobre de enviar os documentos à Espanha. 

JOGO BRUTO- Ao tempo em que permaneceu em Jales, o procurador Thiago Lacerda Nobre protagonizou embates memoráveis, um dos quais com alguns advogados da cidade, por ele acusados de “esfolar” clientes em ações previdenciárias.  A forma como o procurador conduziu a investigação levou a OAB local a se posicionar, arguindo a competência  do Ministério Público Federal  para fiscalizar advogados. O tempo esquentou de tal forma que a cúpula da OAB de São Paulo, presidida por Marcos da Costa e com a presença do ex-presidente Luiz Flávio D’Urso, esteve em Jales  para um desagravo ao então presidente da Subseção Aislan de Queiroga Trigo, hoje presidente da Comissão Estadual  de Assistência Judiciária, e ao  ainda hoje conselheiro seccional Carlos Alberto Brito Neto.

SOLIDARIEDADE – O desagravo a Aislan e Carlos Alberto teve um fato inusitado. Estiveram presentes, solidários a eles, as juízas de direito Maria Paula Branquinho Pini (Auriflama) e Marina de Almeida Gama Matiolli, (Urânia) além de um promotor de justiça, José Raphael Hussein (Fernandópolis).
     
EM NOME DO PAI- Na próxima quarta-feira, dia 31 de janeiro, D. Demétrio Valentini,  bispo emérito de Jales, completa 78 anos. Depois de 33  anos à frente da diocese e completar 75 anos, ele, em 2015, apresentou sua renúncia ao Papa Francisco, sendo nomeado em seu lugar D. Reginaldo Andrietta. Embora seja gaúcho de São Valentim, o bispo emérito preferiu continuar morando em Jales. Às terças e quintas-feiras ele celebra missas às 6 e 20 da manhã e, aos sábados, às 18 e 15, no Santuário da Santíssima Trindade.

CELEBRIDADE – Por conta de seu trabalho à frente da diocese e dos cargos que exerceu na CNBB, onde foi coordenador das pastorais sociais, além de presidente da Caritas brasileira, D. Demétrio, que também andou participando de encontros mundo afora,  tornou-se o morador de Jales mais conhecido dentro e fora do Brasil. Foi graças a ele, que, em outros estados, os que o conheciam passaram a saber que Jales, no Estado de São Paulo, não tinha nada a ver com Lajes, em Santa Catarina.,

MEMÓRIAS - Agora, o bispo emérito dedica-se aos livros, tendo lançado o primeiro em dia 27 de março de 2017. Trata-se da  compilação dos melhores textos que escreveu  no Jornal de Jales e nos outros jornais onde era colaborador.