Editorial

Três vezes salve a esperança

“Vou fazer uma louvação/ Do que deve ser louvado/ Meu povo, preste atenção/Repare se estou errado/Louvando o que /merece/Deixo o que é ruim de lado”. cantou Gilberto Gil na música “Louvação”, composta por ele em parceria com o inspirado poeta Torquato Neto, infelizmente de saudosa memória.

Alguém poderia perguntar com justa razão: por que lembrar versos de uma música que fez sucesso em 1967, quando muitos leitores nem eram nascidos, se estamos no final de 2020 em meio a uma pandemia que já ceifou, só em Jales 67 vidas, e que ameaça de colapso o único hospital geral da cidade, a Santa Casa?

É que, como dizem os advogados, salvo melhor juízo, a letra da música tem tudo a ver com o que aconteceu na manhã de quinta-feira, dia 10 de dezembro, no Plenário Tancredo Neves da Câmara Municipal de Jales.

Em reunião de trabalho presidida pelo prefeito Flávio Prandi Franco (DEM), do atual vice José Devanir Rodrigues (MDB), do prefeito eleito Luís Henrique Moreira (PSDB), secretários municipais,e representantes de entidades de classe e clubes de serviço vinculados ao Fórum da Cidadania, dois diretores da Rumo, concessionária da malha ferroviária paulista, mostraram oficialmente os projetos de dois viadutos a serem construídos na cidade.

Rodrigo Verardino, diretor de Relações Governamentais, e Marcelo Rodrigues, de Relações Governamentais da Operação Norte, não somente mostraram as imagens de como ficarão os viadutos e imediações como anunciaram o início das obras, agora em 2021, bem como o término no segundo semestre de 2022.

Por que os dois diretores da Rumo estiveram em Jales e não fizeram o mesmo nas demais cidades ao longo da ferrovia que também serão beneficiadas?

Segundo eles próprios, o motivo é simples. O prefeito Flá teve participação ativa para que o Tribunal de Contas da União, através do relator Augusto Nardes, emitisse parecer favorável autorizando o governo federal, ainda no período Michel Temer, a renovar antecipadamente da concessão à empresa por mais 30 anos.

Como noticiou a imprensa regional na época, inclusive este jornal, coube ao prefeito Flá, que acumulava a presidência da Associação dos Municípios da Araraquarense, falar em nome dos 645 prefeitos paulistas defendendo no plenário do TCU a antecipação da renovação da concessão.

Em contrapartida, a Rumo se comprometeu a investir R$ 6 bilhões e 500 mil na modernização da ferrovia bem como executar obras nos municípios por onde passam os comboios com 80 a 100 vagões, o que é o caso de Jales.

A construção dos viadutos —um na Rua Osvaldo Cruz esquina com a avenida Jânio Quadros e outro no cruzamento da Rua Goiás com a Minas Gerais— tira um espinho da garganta dos jalesenses, eis que a obra era reclamada há décadas.

Por esta razão, vale a pena voltar a outros versos de “Louvação”, no trecho em que Gilberto Gil cantou a plenos pulmões: “Quem espera sempre alcança/três vezes salve a esperança”.


Desenvolvido por Enzo Nagata