jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

Trabalho na região quer facilitar o acesso aos produtos orgânicos

por Luiz Ramires
11 de dezembro de 2017
Os engenheiros agrônomos Luiz Carlos Gonzaga e Marco Antônio Castanheira com o produtor rural Juailson Pereira da Silva e o supervisor de ensino Francisco de Assis Teixeira na abertura do encontro sobre agricultura orgânica
Aumentar a oferta é fundamental para baixar os preços dos produtos orgânicos para que os mesmos possam ser acessíveis a toda a população e isso precisa ser feito de forma organizada, reunindo um número cada vez maior de produtores.
Para isso é preciso convencer o produtor sobre as vantagens de migrar para o orgânico, pois existe ainda muita resistência, como afirmou o engenheiro agrônomo Marco Antônio Castanheira que esteve em Jales no dia 7 de dezembro, quinta-feira, para um encontro com produtores rurais a fim de passar informações sobre um curso que deverá ser ministrado em 2018, através da Ecofam Certificadora Participativa. Ele afirma que a região facilita muito a produção orgânica que é mais adequada para as pequenas propriedades de agricultura familiar, incluindo os assentamentos do INCRA.
Marco Antônio está acompanhando de perto o trabalho desenvolvido no Noroeste Paulista e afirma que apesar de estar ainda dando os primeiros passos na região, a agricultura orgânica conta com muitos apoiadores, como a Diocese de Jales, o Senar, a CATI, a Fatec, a Etec, o Polo de Jales da UAB e as prefeituras. O apoio do Senar, como afirmou, foi muito importante para a criação de uma associação denominada Grupo Apoiar que começou com um curso de capacitação realizado com a Prefeitura de Indiaporã.   

PARTICIPAÇÃO
A certificação participativa não tem custo, mas como o próprio nome diz, o produtor tem que estar incluído e participando do grupo formado na região. No longo prazo, o objetivo é ter uma cooperativa para aumentar a produção e a oferta de orgânicos, reduzindo preços para atingir as pessoas de baixo poder aquisitivo.
Na região já existem algumas lojas que vendem produtos orgânicos por um preço justo, mas normalmente encontram dificuldades para se abastecer, pois a procura é cada vez maior. Em Jales também existe a feirinha ao lado do Comboio que Antônio Carlos prefere chamar de central de distribuição, por ser o ponto de referência e abastecimento na cidade.

O CURSO
O curso que deverá ser realizado no ano que vem é muito importante para quem quer produzir sem uso de agrotóxicos, como explicou o engenheiro agrônomo Luiz Carlos Gonzaga, do grupo de trabalho da Ecofam. Ele participou do curso que já foi realizado em Indiaporã no início de 2017 e disse que o mesmo oferece a orientação necessária para o produtor com informações sobre controle de doenças, melhoria do solo, produção do próprio adubo natural e outras questões ligadas à agricultura orgânica ou agroecológica.

EDUCAÇÃO
O supervisor de ensino Francisco de Assis Teixeira que também faz parte do grupo e participou do encontro de quinta-feira destacou que um dos focos de todo o trabalho desenvolvido pela Ecofam está voltado para a educação. O objetivo é, através da educação, atrair cada vez mais agricultores para a produção orgânica. Para isso o grupo conta com vários profissionais, incluindo engenheiros agrônomos e técnicos de toda a região, desde São José do Rio Preto.

ASSOCIAÇÃO
O produtor Juailson Pereira da Silva, de Ouroeste, disse que a associação  da região está crescendo com vários produtores de orgânicos em fase de certificação e deverá ter mais adesões a partir do curso que será realizado em Jales.
Apesar de muitos não acreditarem que dá para produzir sem agrotóxicos, Juailson explica que a curiosidade acaba atraindo para o grupo pessoas interessadas no curso que depois vão mudando seus conceitos.