jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

TODOS os anos, 12 de outubro é comemorado como o Dia da Criança com muita festa para os pequenos que um dia estarão comandado os destinos da cidade e da nação ...

Contexto
21 de outubro de 2018
TODOS
os anos, 12 de outubro é comemorado como o Dia da Criança com muita festa para os pequenos que um dia estarão comandado os destinos da cidade e da nação, mas ao mesmo tempo acontecem eventos para mostrar o outro lado da moeda: o das dificuldades para oferecer as mesmas oportunidades para que a comunidade possa se orgulhar em dizer “lugar de criança é na escola”.

NAS CAMPANHAS
eleitorais todos prometem mexer em muita coisa para melhorar a educação, mas para que isso aconteça é preciso cuidar para que as crianças e adolescentes tenham realmente condições de aprender e isso não se resume em oferecer vagas nas salas de aula, nem contratar mais professores.

HÁ OUTRAS
necessidades e os cuidados contra a exploração do trabalho infantil é uma delas, pois se há algumas décadas o uso da força ou da mente dos pequenos era normal, agora também é, só que precisa ser devidamente regulamentado.

TUDO
deve ser feito de acordo com as exigências oficiais para que a criança não deixe de estudar nem seja explorada por alguns adultos, particulares ou donos de empresas, que só veem o lucro sem se preocupar com a qualidade de vida da população.

EXISTEM 
regras, como a proibição do trabalho para menores de 16 anos, a não ser como aprendiz quando a idade mínima passa a ser 14 anos, justamente para que as escolas possam funcionar em período integral.

SEGUNDO 
o IBGE, no Estado existem 553.912 crianças e adolescentes de 10 a 19 anos que trabalham de forma irregular, representando 16,2% do total do país, sendo que desse total, 134.638 tem entre 10 e 15 anos e 71.172 entre 10 e 13 anos.

EM JALES 
o último Censo apontava a existência de 797 crianças e adolescentes entre 10 e 17 anos nessa situação, das quais 59 tinham entre10 e 13 anos, 125 entre 14 e 15 anos e 613 entre 16 e 17 anos.

QUASE 
dez anos depois esses números podem ter diminuído, mas certamente não serão muito diferentes daqui a dois anos quando deverá ser feito o novo levantamento.

TERMOS
a melhor escola municipal de ensino médio do estado para cidades com até 50 mil habitantes é uma grande conquista, mas isso não nos tira a responsabilidade de oferecer ensino de qualidade para todos, o que só se conquista eliminando desigualdades, inclusive com a exclusão do trabalho irregular para quem precisa antes aprender, para depois produzir. (Luiz Ramires)