jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

Tardou, mas não falhou

Editorial Especial
15 de abril de 2018
A mais alta corte de justiça do país, o Supremo Tribunal Federal, está na boca do povo por conta do julgamento de habeas corpus para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Passados oito dias, a decisão do STF, contrária a Lula, continua provocando acesas reações. De um lado, os simpatizantes e eleitores de Lula consideram-no vítima de perseguição. De outro, os adversários entendem que ele já deveria estar na cadeia há mais tempo.
Enquanto a prisão de Lula andou dando mais ibope do que decisões de campeonatos estaduais de futebol, os jalesenses podem respirar aliviados e comemorar outro julgamento. 
O Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, em decisão de 12 de abril, houve por bem julgar improcedente processo administrativo disciplinar contra o juiz Fernando Antônio de Lima(foto), titular da Vara Especial Cível e Criminal da comarca de Jales. 
O placar a favor do juiz jalesense foi altissonante. Dos 25 julgadores, 20 votaram a favor dele o que, por si só, diz tudo.
Se o placar fosse inverso, o TJ paulista teria cometido uma das maiores barbaridades contra um magistrado, na medida em que, como este jornal vem comentando desde o ano passado, o juiz não cometeu qualquer infração. Pelo contrário, colocou-se do lado certo, o dos que batem às portas da justiça pedindo o justo.
E por que o magistrado sofreu o processo? Pasmem, pela simples razão de que em entrevista ao Jornal de Jales, em maio de 2015, o dr. Fernando, com a coragem dos que não temem a verdade, fez duros reparos ao processo de privatização do país e defendeu “o direito do povo contra serviços públicos mal prestados por grandes bancos e grandes corporações econômicas”, citando inclusive o Papa Francisco. 
Incomodada, a multinacional Telefônica fez representação contra ele, acusando-o de ter insuflado os usuários de seus serviços a multiplicarem o número de ações contra a empresa.
O desfecho do caso mostra que a justiça tardou um pouco, mas não falhou. Vida longa, dr. Fernando!