contato@jornaldejales.com.br
17 3632-1330

Síndrome do Túnel do Carpo

ARTIGO ACADÊMICO
17 de março de 2020

É ocasionada pela compressão das estruturas localizadas no interior do túnel do carpo, (mão) principalmente do nervo mediano, que causa dor, sensação de dormência e formigamento de todos os dedos da mão, menos do dedo mínimo.

É causada por esforços repetitivos, traumas, descontrole hormonal, hereditariedade, idade (mais comuns em mulheres após a menopausa), inflamações como artrite reumatoide e etc.

Qualquer movimento que aumente a pressão dentro do canal pode provocar a compressão do nervo mediano e, consequentemente, dar origem à Síndrome do Túnel do Carpo.

No dia-a-dia, existem diversas atividades domésticas que acarretam uma sobrecarga no nervo mediano tais como cortar alimentos, mexer na panela, lavar pratos, esfregar paredes, torcer a roupa com as mãos, passar a roupa, entre outras.

A Síndrome do Túnel Cárpico tem tendência a ser progressiva, isto é, os sintomas começam discretamente e vão piorando com o passar do tempo. Inicialmente as pessoas costumam sentir dormência e dor leve e esporádica nos três primeiros dedos da mão (polegar, indicador e dedos longos). Estes sintomas surgem principalmente à noite ou em determinados movimentos e posições da mão. Com a evolução, vão se tornando cada vez mais intensos e frequentes, podendo piorar ao ponto da pessoa se sentir totalmente incapacitada por não ser capaz de executar tarefas do seu cotidiano que antes considerava simples.

Quando o caso está mais avançado pode ocorrer fraqueza e até atrofia muscular.

O diagnóstico é feito através de exames clínicos e físicos associado a exames complementares.

O tratamento dependerá do grau de acometimento, podendo ser conservador com repouso das atividades manuais, talas e tratamento fisioterapêutico.

 

Referência Bibliográfica;

https://www.into.saude.gov.br/lista-dicas-dos-especialistas/191-mao/285-sindrome-do-tunel-do-carpo

 

Nas Clínicas Integradas da Fundação Educacional de Fernandópolis - FEF os alunos estagiários do curso de Fisioterapia, são preparados para atuar com várias condutas fisioterapeuticas afim de amenizar e tratar diversas patologias. Esses serviços estão à disposição a toda população, nas clínicas Integradas na FEF.

Coordenadora do curso de Fisioterapia; Luciana Marques Barros.


Professora orientadora: Maristela Ribeiro da Silva

 

Alunos: Bianca Adriene Ribeiro Vasconcelos, Giseli Carla Marçal Calisto, Letícia Aparecida Alves Ferreira, Marluane Marques Pierrebon, Natália Belone Sakamoto, Pablo augusto Caetano da Costa e Victor Rodrigues Maciel.

5°semestre


***Este jornal não se responsabiliza por conceitos emitidos em artigos assinados, que são de inteira responsabilidade de seus autores.