jornaljales@gmail.com
17 3632-1330

SERVIÇO DE BORDO– A grande novidade do Jales Rodeio Show realizado entre os dias 11 e 14 de abril não estava na arena nem no palco, mas fora do recinto da festa.

Fique Sabendo
21 de abril de 2019
Helder, engenheiro agrônomo de formação, feliz da vida com o “Toindo”, tendo como passageiro o xará Elder Mansueli, empresário e músico
SERVIÇO DE BORDO– A grande novidade do Jales Rodeio Show realizado entre os dias 11 e 14 de abril não estava na arena nem no palco, mas fora do recinto da festa. Desta vez, independente dos shows sertanejos e dos corcoveios dos bois e cavalos tentando derrubar os peões, os frequentadores mais exigentes e precavidos puderam contar com um serviço que já virou mania em cidades maiores —o aplicativo de mobilidade urbana.

 TRANQUILEX– O “Toindo”, aplicativo de mobilidade urbana exclusivo da região, virou febre nos quatro dias de festa e tudo indica que vai se transformar em permanente meio de transporte para quem precisa se deslocar de um lado para outro sem se preocupar com sinais de trânsito, policiais, consumo de bebida alcoólica e sonolência. Conforme já registrou esse jornal, a startup adota um modelo semelhante ao Uber e outros aplicativos de mobilidade para os passageiros e bem mais vantajoso para os motoristas. 

BALANÇO – Durante o Jales Rodeio Show, 10 motoristas serviram os frequentadores, dos quais 5 de Jales. Como o serviço é novo em nossa cidade, outros 5 cadastrados anteriormente pelo “Toindo” vieram de Fernandópolis e Santa Fé do Sul para reforçar a frota.  Segundo os diretores do aplicativo, cada motorista realizou aproximadamente 40 corridas por noite. O preço médio ficou entre R$ 8,50 e R$ 10,00, bem abaixo do que pagam os usuários de taxi e até de mototaxi.

SEGURANÇA- Para se cadastrar no “Toindo”, informaram os administradores, é preciso apresentar documentação pessoal e do veículo, que deve ter quatro portas, ar condicionado e no máximo 10 anos de fabricação, além de certidão negativa de antecedentes criminais.

REGRA DO JOGO – A direção do “Toindo” informou também que, ao contrário da maioria dos aplicativos de mobilidade urbana, os motoristas não precisam pagar porcentagem pelas corridas realizadas, mas sim uma mensalidade de R$ 120,00.  

TEST DRIVE – O “Toindo” funciona há cinco meses, mas virou febre na região em março durante o carnaval do Grupo Oba, em Votuporanga, quando a cidade receber milhares de turistas, muitos dos quais são obrigados a se hospedar em cidades vizinhas.  O aplicativo também é muito usado por estudantes. 

BALCONISTA – A médica cubana Dania Yelises Gómez Cabrera, que trabalhou durante três anos atendendo a população na unidade básica de saúde do município de São Francisco em função do programa Mais Médicos,  agora é balconista de farmácia. Ela integra o grupo de aproximadamente dois mil profissionais que, desde o fim do ano passado, quando o governo cubano rompeu o acordo com o Brasil em reação a críticas do então presidente eleito Jair Bolsonaro, decidiu continuar no país diante da promessa de que não ficariam desamparados. 

EXPECTATIVA – Dania é casada com o técnico agrícola jalesense Artur Vicente Valério, assim como outros 700 colegas médicos que se casaram com brasileiros. Ela resolveu encarar a jornada no balcão de uma das farmácias da cidade até que a situação se aclare. Como se sabe, médicos em sua mesma situação devem validar o diploma, o que é feito por uma prova cuja realização é determinada pelo MEC, com calendários mais rígidos e mais longos que vestibulares. 

BICOS – O caso de Dania não é o único. Na última segunda-feira, dia 15 de abril, o jornal O Estado de S.Paulo publicou matéria de página inteira sobre a situação dos médicos cubanos que resolveram ficar no Brasil. Um dos casos mais interessantes é o de Yonel Cruz Bermudes, de 35 anos, que ficou quatro anos no Mais Médicos e agora acumula as funções de garçom, cozinheiro e animador de festa em um bar de Sorocaba, o “Cuba Libre”, nas proximidades do aeroporto. 

SINAL VERDE -  A deputada estadual Analice Fernandes (PSDB) está realmente com a bola cheia entre seus pares. Depois de ter sido escolhida para presidir a sessão de eleição do novo presidente da Assembleia Legislativa no dia 15 de março, ganhando amplo espaço na mídia da capital, agora ela chegou à presidência da Comissão de Saúde com os votos de líderes de todos os partidos. 

TRÂNSITO LIVRE – Votaram nela para a presidência da Comissão de Saúde líderes de bancadas como José Américo (PT), Janaina Paschoal (PSL), André do Prado (PR), Caio França (PSB), Edna Macedo (PRB), Ataide Teruel (Podemos), Fernando Cury (PPS), Alex Madureira (PSD) e do companheiro de jornadas regionais Itamar Borges (MDB).