VESTIBULARES

Ser professor

A escolha da profissão é algo realmente difícil. Envolve uma decisão sobre o que vamos desempenhar para o resto de nossas vidas. Porém, o mais árduo dessa escolha é achar que não pode errar o alvo em hipótese alguma. Definir a profissão é entendido como algo que deva ser preciso, certeiro e sem volta.

Mas, vamos com calma. Não é bem assim.

Na trajetória da vida, existem várias bifurcações que requisitarão de nós qual lado devemos seguir. A via da profissão é uma das tantas outras que surgirá na vida de cada um. O pedido de namoro e casamento, a compra de automóvel, a mudança de cidade, a escolha do aparelho celular, o feijão por cima ou por baixo do arroz, o jeans básico ou vestido... Enfim, tudo são escolhas e caminhos que optamos.

No entanto, quem nunca escolheu ir a uma festa e, ao chegar ao local, percebeu que o ambiente era totalmente desagradável? Diante dessa situação,  você tem 3 opções: ficar, se recolher num canto e passar uma noite horrível; ficar e tentar mudar o ambiente buscando deixá-lo ao seu estilo; ou simplesmente ir embora.

É claro que uma noite mal escolhida não é algo tão complexo quanto a carreira profissional. Mas, as decisões em ambos os casos tem algo em comum: o que você quer para você.

Posso dizer que minha escolha profissional não deve ser levada como padrão. Digo isso porque o processo foi muito natural e com total apoio da família.  Primeiro, me apaixonei pela Geografia para, depois, me encantar pelos professores que tive devido a capacidade que tinham em ensinar e rumar nossos caminhos.

Mesmo pelo encantamento com minha profissão já no período juvenil, sabia que o reconhecimento não seria pleno. Além da falta de valorização, recentemente passamos a ser considerados doutrinadores, zebras gordas, além de sermos refutados pela opinião de vídeos de 5 minutos de duração.

A minha profissão, mesmo com o descrédito social, permite realizações que outras dificilmente oferecem. Conviver com a juventude pulsante e incessante por conhecimento é rejuvenescer a cada ano. Poder chamar eternamente os alunos  de MEUS também é realizador. Contribuir na trilha de um futuro de vida é altamente gratificante.

Sim. Nós somos a base de todas as demais profissões. Nos desdobramos para recriar novas expectativas e conquistas a cada ano. Vivemos diuturnamente as angústias e aflições de sala de aula. Não suportamos ver um rosto cabisbaixo passar despercebido sem uma frase de ajuda ou motivação.

Assim, escolha a profissão que lhe dê satisfação e realizações tal qual ser professor de Geografia me permite.

Parabéns, para nós, professores!


Eduardo Britto 
(Professor de Geografia do Colégio e Curso Objetivo de São Paulo, graduado pela UNESP, especialista em Gestão Ambiental pela UFSCAR e Mestre em Ensino de Ciências pela UFMS)
Desenvolvido por Enzo Nagata