jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

Se não fossem vocês...

Editorial
06 de novembro de 2017
O provedor  da Santa Casa de Jales, Junior Ferreira, divulgou o resultado financeiro do jantar-show beneficente, dia 20 de outubro, tendo como atrações artísticas os cantores Chrystian e Ralf, assunto que mereceu amplos  registros nas edições impressa e digital do Jornal de Jales.
Descontado o cachê dos artistas e deduzidas as demais despesas, o evento produziu uma receita líquida de R$ 70 mil, decorrentes dos 700 convites pagos a preços que variaram entre R$ 250,00 a R$ 500,00 por pessoa.
No mês anterior, outra iniciativa da Santa Casa foi igualmente prestigiada. A promoção  “Na Santa Casa eu boto fé”, que consiste no sorteio de um carro zero quilômetro e   vem se tornando tradicional, carreou para os cofres do hospital R$ 110 mil,
Não foi fácil nos dois casos. A equipe do Setor de Captação de Recursos da Santa Casa teve que suar a camisa e só atingiu os objetivos graças à credibilidade de uma instituição que vai completar 59 anos no dia 27 de novembro.
Os serviços oferecidos pela Santa Casa abrangem  um universo de 110 mil habitantes de Jales, região e estados limítrofes,  envolvem 300 colaboradores empregados diretamente, 72 médicos no corpo clínico atuando em 13 especialidades 
A estrutura física oferece 144 leitos dos quais 89 cadastrados diretamente no SUS (Sistema Único de Saúde)  . Ao todo, são cinco mil atendimentos por mês, o que gera um movimento de R$ 2 milhões, não cobertos totalmente pelos governos, o que gera defasagem mensal de quase 8% entre receita e despesa.  
Como cobrir o déficit, que gira em torno de R$ 150 mil por mês sem atrasar salários de funcionários e manter o equilíbrio financeiro?
Só existe um caminho para manter viva uma instituição sem fins lucrativos — contar com a solidariedade da população de Jales e região, não somente nos  dois episódios citados acima, como em outras campanhas realizadas ao longo do ano, como o serviço de telemarketing, leilão de gado, doações, concerto, etc.  
O caso da Santa Casa não é isolado. Outro exemplo recente: na posse da nova diretoria do  Projeto Corpo e Mente em Movimento, iniciativa da Sacra, braço assistencial da Diocese de Jales, que oferece educação complementar a 50 adolescentes e jovens, matéria que mereceu página inteira do J.J. o um aporte oficial dos governos, em todos os níveis, é de R$ 80 mil/ano, mas as despesas passam de R$ 220 mil. 
Como fazem os dirigentes da Santa Casa, o que falta no caixa é suprido pela participação da comunidade  em eventos como jantares, quermesses, bazares  e outros meios de arrecadação.
Por todos esses motivos é que o J.J. opina sem medo de errar: se não fossem vocês, que dão aulas diárias de generosidade, com certeza as instituições filantrópicas estariam todas de portas fechadas.
Parabéns à comunidade pela capacidade de entender que, como diz o poeta, “separados somos nada/juntos somos arco e somos flecha”