jornaljales@gmail.com
17 3632-1330

Santa Casa realiza mais uma operação de captação de órgãos

por Luiz Ramires
14 de janeiro de 2019
Parte das equipes da Santa Casa e dos hospitais que vieram buscar os órgãos do garoto
Em mais uma operação de captação de órgãos para doação a Santa Casa de Jales recebeu, no dia 10 de janeiro, quinta-feira, uma equipe de médicos e enfermeiros do Incor, de São Paulo e do Hospital de Base de São José do Rio Preto que vieram buscar os órgãos do garoto Pedro Henrique Pondian, de 12 anos, que morreu no dia anterior, depois de permanecer na UTI durante 9 dias.
O garoto estava no carro conduzido por seu pai, o cabo da Polícia Militar Edson Pondian que morreu em um acidente ocorrido no dia 1º de janeiro, na Rodovia Jarbas de Moraes quando seguia para Santa Albertina. A mãe do policial, Lídia, de 76 anos, também morreu.

AGILIDADE
O médico cirurgião Flávio Bola dos Reis, do Incor, disse que veio captar os pulmões do garoto e explicou que para esse tipo de operação é preciso agir com muita rapidez e precisão para não perder os órgãos que no caso de pulmões, por exemplo, tem um prazo de duração muito curto.
Enquanto a equipe busca o órgão, os médicos do hospital onde o paciente está internado vão cuidando de todos os preparativos necessários para que o transplante seja realizado o mais rápido possível, imediatamente após o retorno da equipe.
Para isso é necessária uma logística que sempre acaba contando com a Polícia Militar, na liberação de um helicóptero, que nesse caso não foi possível em função de outra operação que estava sendo realizada. Os policiais militares também colaboram na liberação do trânsito, como aconteceu em Jales, para o trajeto até o aeroporto de Votuporanga.

SANTA CASA
Da mesma forma, a Santa Casa de Jales, que conta com uma equipe capacitada para esse tipo de procedimento, procura sempre oferecer o maior apoio possível, pois como afirmou o enfermeiro Paulo Lima da Silva, não se pode descuidar quando se trata de salvar vidas.
O médico Pedro da Silva, do Hospital de Base, que veio buscar o fígado para um paciente internado no Hospital das Clínicas da capital e os rins para um paciente internado em Ribeirão Preto, disse que o HB já fez mais de 600 transplantes desde quando começou a realizar esse procedimento, há 20 anos.
Ele afirma que é importante a divulgação desse trabalho como forma de conscientização da população sobre a necessidade de doação de órgãos, pois existem muitos pacientes na fila de espera.