jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

SAMBA NO PÉ - O engenheiro Niltinho Suetugo, secretário municipal de Planejamento, esqueceu o tênis de campo e a pescaria, suas diversões prediletas, para acompanhar de corpo presente o trabalho de recapeamento da Rua 14, esquina com a 5. Detalhe: era terça-feira de carnaval por volta de 9 horas da

Fique Sabendo
10 de março de 2019
Niltinho Suetugo, secretário de Planejamento, acompanhou recapeamento de ruas em pleno carnaval
FENIX – Não será surpresa para esta coluna se uma grande empresa da cidade, temporariamente desativada, voltar a movimentar seu parque industrial. O processo de renascimento das cinzas está sendo conduzido sob sigilo absoluto. Investidores pesos-pesados fora daqui já  estão se reunindo para analisar o plano de negócios.   Se isso acontecer, será a melhor notícia do ano, especialmente para os desempregados...

SAMBA NO PÉ - O engenheiro Niltinho Suetugo, secretário municipal de Planejamento, esqueceu o tênis de campo e a pescaria, suas diversões prediletas, para acompanhar de corpo presente o trabalho de recapeamento da Rua 14, esquina com a 5. Detalhe: era terça-feira de carnaval por volta de 9 horas da manhã. De olho no lance, a jornalista Josiane Bomfim registrou a cena.

GASOLINA – A Câmara Municipal, claro, não funcionou durante o carnaval, mas são cada vez mais insistentes os rumores dentro e fora do Legislativo de que um vereador voltou a frequentar as sessões do Legislativo meio chapado. Segundo se comenta, o nobre edil, visivelmente alterado insiste em subir à tribuna e falar como se estivesse nos botecos do bairro dele, provocando um clima de constrangimento no ambiente. Alguns colegas estão prontos para dar o bote e enquadrá-lo no Conselho de Ética da casa. 

POLE POSITION – Embora uns e outros por aí adorem esculachar a Prefeitura (e, por extensão, com prejuízo para imagem da cidade), a verdade é que em alguns aspectos a municipalidade jalesense está anos-luz à frente até de metrópoles. Por exemplo, no último domingo, 3 de março, a jornalista Sônia Racy, titular da página 2 do Caderno de Variedades do jornal O Estado de S. Paulo publicou que Alê Yousseff, secretário de Cultura da cidade de São Paulo, quer criar um calendário unificado de eventos culturais públicos e privados na cidade. Segundo Yousseff, para dar maior qualidade e assistência aos programas. 

POLE POSITION (2) – Pois bem, enquanto cabeças coroadas da maior cidade do país se mexem para botar a bola no centro, a Prefeitura de Jales, através da Secretaria Municipal de Esportes, Cultura e Turismo, divulgou no início do mês passado o Calendário Anual de Eventos. São 102 manifestações tanto oficiais quanto da iniciativa privada, incluindo desde festivais de teatro, saraus, concertos, shows artísticos, jantares e quermesses beneficentes até a Romaria Diocesana. Para quem não se lembra, a matéria foi publicada na edição de 17 de fevereiro do Jornal de Jales.

PAISANO – O ex-deputado federal e ex-secretário estadual Júlio Semeghini, com larga experiência na iniciativa privada, de onde migrou para a vida pública, está vivendo uma situação inusitada: a convivência diária com companheiros de trabalho egressos das Forças Armadas. 

QUARTEL - Semeghini é o secretário-executivo do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações, na prática o nº 2 da pasta cujo titular é o astronauta Marcos Pontes, que fez carreira na Aeronáutica. Mas, não é só. Trabalham no Ministério sob a batuta do neojalesense Semeghini mais os seguintes militares: Celestino Toledo (chefe de gabinete) Maurício Pazini Brandão (secretário de Tecnologias Aplicadas), Antônio Franciscangelis Neto (secretário de Planejamento), Elias Gurgel do Amaral (Secretaria de Radiodifusão), Carlos Moreira (presidente do INB) , Carlos Henrique Seixas (Nuclep) Juarez Aparecido Cunha (Correios), Waldemar Ortunho   (Telebras).
 
ORDEM UNIDA – Conforme levantamento feito pela equipe da Agência Estado com base no Diário Oficial da União, ao menos 103 militares compõem o governo Bolsonaro. Segundo o general Santos Cruz, ministro-chefe da Secretaria de Governo, não se trata de preferir os militares, mas de recrutar pessoas com histórico de “ ética e capacidade técnica”. 

OUTROS  TEMPOS – Em sentido diametralmente oposto, o governo Bolsonaro extinguiu cerca de 11 conselhos de assessoramento com a participação da sociedade civil. Um deles é o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República. 

CONSELHÃO - Referido conselho foi criado no governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e era integrado por empresários, líderes sindicalistas, pesquisadores, cientistas e até religiosos. O representante oficial da CNBB era o então bispo de Jales, Dom Demétrio Valentini, coordenador das Pastorais Sociais e presidente da Caritas Brasileira.