jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

ROSÂNGELA E SUELY

O sentimento de mães com filhos morando no exterior
13 de maio de 2018
Rosângela com os filhos Thiago (Austrália) e Marina (Argentina)
“Com essa facilidade de comunicação, posso vê-los, mas não abraçá-los”, lamentou Rosângela Nossa Neto, casada há 30 anos com o advogado Carlos Alberto Expedito de Brito Neto, com o qual teve dois filhos: Thiago, hoje na Austrália depois de passar pela China, e Marina, na Argentina
De sua parte, Suely Aparecida Zambon, cujo filho Vandré já passou pela Nova Zelândia, Escócia e China e hoje está nos Estados Unidos, além de outro, Junior, professor universitário em Cuiabá, vai pelo mesmo caminho: “é muito difícil ser mãe à distância”.
O J.J. foi ouvi-las sobre o que elas sentem neste domingo, 13 de maio, Dia das Mães

Rosângela admite: dia de muita saudade

J.J. - Quando se casou, a senhora imaginou que teria dois filhos morando no exterior?
Rosângela - Não. Esse projeto dos meus filhos, não acreditava que fosse possível algum dia.

J.J. - Como se sente no Dia das Mães com o Thiago e a Marina fora do país?
Rosângela - Um sentimento de muitas saudades, vontade em estar juntos com os dois sempre, como nos anos em que ficávamos sempre juntos, nos reuníamos com toda a família. Olha só! Da nossa família, de algum modo, estão todos próximos. Aí, inevitável pensar o quanto os dois estão distantes....

J.J. - Como a senhora se comunica com eles?
Rosângela - Com essa facilidade de comunicação nos tempos de internet, tudo acaba ficando mais fácil. Posso vê-los, mas, não os abraça-los. Através de Skype; WhatsApp ou mesmo viber, isso, todos os dias da semana e por todo esse período em que estão fora.

J.J. - E se eles decidirem continuar fora do país, como será sua reação? 
Rosângela - Essa possibilidade existe sim, porém, quero deixar esse assunto para o momento em que essa decisão tiver que ser tomada pelos dois. O Thiago, está fora do Brasil, há praticamente 03 anos, contando com a China, agora na Austrália, com dois anos e 06 meses. A Marina, na Argentina, já se passou quase dois anos. De qualquer modo, vamos apoiá-los mesmo que isso, sabemos será muito difícil para mim, mas tudo bem,  a felicidades deles é o que importa.