jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

Rillo assegura recondução de professores da Categoria F às Salas de Leitura

por Valéria Gorayeb
21 de janeiro de 2018
Rillo cobrou do secretário Nalini (à esq.), em audiência, na Assembleia, solução para professores
O deputado estadual João Paulo Rillo conseguiu manter os professores da Categoria F à frente do projeto das Salas de Leitura. Portaria de 13 de dezembro de 2017 assegurou a recondução dos professores às atividades desta estratégia pedagógica. Em todo o Estado, são mais de 600 municípios com Salas de Leitura, em 4.522 escolas, atendendo 2,3 milhões de alunos.
Lideranças no desenvolvimento do projeto, os professores da Categoria F foram qualificados para as atividades inclusive com cursos realizados em parceria com o Instituto Ayrton Senna e  estavam ameaçados de serem substituídos por professores readaptados. Segundo a portaria, professores com avaliação satisfatória do Conselho Escolar serão reconduzidos automaticamente.
Alertado sobre o problema em reunião, em novembro de 2017, com professores de Jales e Luis Especiato, diretor da EE Professor Carlos de Arnaldo Silva – Prata, Rillo questionou o secretário de Estado da Educação, José Renato Nalini, durante audiência de prestação de contas, em dezembro, na Assembleia Legislativa. “Embora o secretário estivesse disposto a solucionar a situação, a mobilização dos professores foi determinante para esta conquista”, relembra o parlamentar que, ao longo dos últimos dois meses, insistiu em gestões junto ao governo para obter uma solução para o problema.
A portaria de dezembro contrapõe resolução anterior que havia, desde julho de 2017, priorizado a atuação dos professores readaptados nas Salas de Leitura. Com atividades lúdicas, dança, poesia, teatro, interpretação de texto, incomuns em uma sala de aula tradicional, as Salas de Leitura poderiam exigir um esforço maior dos professores readaptados, retornando de um tempo de afastamento por questões de saúde. “Precisamos assegurar a continuidade do projeto com qualidade e, ao mesmo tempo, fiscalizar para que os professores readaptados sejam acolhidos em seu retorno ao trabalho com os cuidados necessários à condição deles”, defende Rillo.