jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

RETRANCA- O meio de campo continua embolado no âmbito da Comissão de Constituição e Justiça em relação ao Projeto de Lei nº 100/2018....

Fique Sabendo
24 de junho de 2018
Luís Henrique Moreira, pré-candidato a deputado estadual, com a deputada federal Renata Abreu, presidente nacional do partido “Podemos”
RETRANCA- O meio de campo continua embolado no âmbito da  Comissão de Constituição e Justiça em relação ao Projeto de Lei nº 100/2018, de autoria do vereador Tiago Abra (PP), que altera e revoga disposições de duas leis municipais, uma de 2002 e outra de 2007, regulamentando questões relativas ao funcionamento da Facip.

LUPA – Embora o Procurador Jurídico da Câmara Municipal, advogado Rodrigo Murad Vitoriano, tenha considerado o projeto legal e constitucional, os membros da CCJ ainda não decidiram encaminhar a propositura para votação em plenário. Até agora houve dois pedidos de vista — um do vereador Deley (PPS), presidente, e outra do vereador Kazuto (PSB), relator. Segundo Fábio Galan, diretor de Secretaria da Câmara, não há previsão para que os vereadores que pedem vista devolvam o projeto.

O X DO PROBLEMA – Na justificativa do projeto, o vereador Tiago explica que as alterações propostas consideram a nova realidade da permuta do recinto “Parque de Exposições Juvenal Giraldelli”, que já não pertence à Prefeitura Municipal. Contudo, sustenta o autor, “a marca Facip é um patrimônio cultural e de valor promocional pertencente ao poder público municipal. Isto posto, esta marca deve ser preservada e utilizada somente em eventos que tenham o envolvimento do interesse público de promoção cultural, difusão do status agrícola, comercial, industrial e pecuária de Jales, todos em torno de data que considere o aniversário da cidade”.

GATO POR LEBRE- Na verdade, o autor do projeto garantiu a fonte desta coluna que o objetivo é  evitar o que aconteceu em abril deste ano quando a empresa Gauri Eventos de São Paulo  acrescentou a marca Facip ao Rodeio Show que promoveu. Como se recorda, o Jornal de Jales, uma semana depois do encerramento, publicou editorial qualificando o evento de “Fake Facip” tendo em vista o uso da marca sem que nenhum dos requisitos tenha sido contemplado.   

CONTATOS IMEDIATOS (1) – O empresário Luis Henrique Moreira, da LH Borr, pré-candidato a deputado estadual, foi visto no camarote oficial da Festa do Peão de Bálsamo, dia 15, convidado do prefeito Du. Até aí, nada demais por dois motivos: 1) a família do prefeito, que produz borracha, é cliente da empresa do jalesense; 2) mais de uma vez e antes mesmo de ser prefeito, Du e esposa estiveram em Jales, a convite de LH, assistindo a shows beneficentes para a Santa Casa e Hospital de Amor. Resta agora a costura para que a amizade e os negócios se transformem em votos.

CONTATOS IMEDIATOS (2) - Luís Henrique passou o início da semana em São Paulo onde foi levar pessoalmente a documentação exigida pela Justiça Eleitoral para registro de candidatura. Na sede do partido, o “Podemos”, foi recebido pela presidente nacional Renata Abreu, que já é deputada federal. A conversa foi tão boa que, segundo LH, a dupla até articulou dobradinhas em algumas cidades da Grande São Paulo.

CONTATOS IMEDIATOS (3) - De sua parte, o delegado Edson Sakashita, pré-candidato a deputado estadual pelo PHS, também tirou o pé do chão. O delegado esteve em São Paulo onde, em companhia do presidente estadual Laércio Benko, foi recebido pelo governador Márcio França. O PHS integra a aliança construída em torno de França, que assumiu a cadeira de Geraldo Alckmin e é candidato a ficar mais quatro anos no Palácio dos Bandeirantes, mas desde o primeiro dia, como titular.

SEM OSTENTAÇÃO- Embora alguns amigos façam brincadeiras sobre sua anunciada pré-candidatura a deputado federal pelo partido “Patriotas”, o obstinado Luís Henrique Vicente de Oliveira, o Henrique do CAJ, tira de letra as gozações e vai em frente. No sábado, 16 de junho, ele participou da convenção estadual do partido. Detalhe: viajou de ônibus e avisou que, se for eleito, só vai viajar de avião de carreira e sem usar aeronaves da FAB.

TIETAGEM – Henrique não resistiu quando, no salão de convenções, avistou Nilton Ishii, que ficou conhecido no Brasil inteiro como “o japonês da Federal”, por aparecer em vídeos e fotos conduzindo presos famosos apanhados na Operação Lava Jato. O “japonês da Federal”, que se aposentou, é o presidente do partido no Paraná. Consta que o jalesense aproveitou   para pedir um autógrafo.

 LAVA-JATO- Segundo publicou a Folha de S. Paulo, o inquérito contra o presidenciável Geraldo Alckmin enviado à Justiça Eleitoral pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) ainda pode subsidiar investigações da Lava Jato em São Paulo, caso haja inícios de que o tucano cometeu crimes. O jornal atribuiu a explosiva declaração a Thiago Lacerda Nobre, chefe do Ministério Público Federal em São Paulo. 

PORTA ABERTA- Ainda de acordo com a Folha, Alckmin foi acusado por um delator da Odebrecht de ter recebido dinheiro de caixa 2 por meio de seu cunhado, o empresário Adhemar Ribeiro. Coordenador da força-tarefa paulista da operação, o ex-procurador da república em Jales diz que “até o momento” o ex-governador não é investigado, mas “a porta está aberta” para um eventual compartilhamento de provas.