quarta 14 abril 2021
Geral

RETORNO ÀS AULAS: Qual o papel dos psicólogos nas escolas?

Depois de pouco mais de um ano afastados, professores e alunos começam a voltar às escolas e sentir as mudanças. Vamos começar com o novo normal. Talvez o uso de máscaras, distanciamento social e não compartilhamento de materiais sejam as partes mais fáceis de se lidar diante de outros prejuízos sofridos na quarentena.

Os debates sobre o retorno às atividades ainda estão em pauta, há pais e professores que temem o retorno às aulas devido à vulnerabilidade de sua saúde, assim como os que necessitam que os filhos retornem devido às sua demandas trabalhistas e dificuldades de manejo. Há crianças que terão dificuldade em voltar à rotina e também os que facilmente querem o retorno para o reencontro com os colegas e professores.

Há professores e alunos que perderam algum ente pela Covid; algum aluno com a aprendizagem mais prejudicada dependendo de como foi a estrutura virtual e apoio familiar durante as aulas online; de como foi a dinâmica familiar e condições financeiras enfrentadas durante o confinamento, consequenciando no modo de trabalho e aprendizado.

Todos esses fatores geram condições emocionais vulneráveis, que necessitam de um apoio psicológico para superação das dificuldades auxiliar no desenvolvimento.

Neste momento, o objetivo do psicólogo na educação não é realizar uma orientação profissional, nem mesmo realizar uma psicoterapia; a não ser que se observe um caso específico e seja encaminhado para consultório particular, mas orientar e dar suporte emocional aos estudantes, profissionais da educação e servidores públicos, possibilitando celebridade no atendimento e às necessidades urgentes e emergências vivenciadas pela comunidade escolar. Além disso, o apoio preventivo é importante para realização de formações para o processo de desenvolvimento de competências socioemocionais dos alunos para todas as atividades; promover com empatia orientações aos gestores, professores e funcionários em questões psicopedagógicas; orientar os professores sobre os aspectos psicológicos que interferiram no processo de aprendizagem e apoiar elaboração de projetos pedagógicos, planos e estratégias para promoção de aprendizagem de todos os estudantes.

Acredito que um bom acolhimento, recepção, feedback dos alunos e funcionários são muito importantes antes do início das atividades. O trabalho em equipe multidisciplinar facilitará esse retorno em um momento de muita vulnerabilidade e atipicamente vivido por todos.

 Amanda Sabatin Nunes

Especialista Clínica em Psicoterapia Comportamental (ITCR-Campinas)

Desenvolvido por Enzo Nagata