jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

RAÍZES –Mal fechadas as urnas eletrônicas de 2018, já começou a movimentação para 2022.

Fique Sabendo
11 de novembro de 2018
Lígia Zuri, nascida em Jales, poderá ser lançada candidata a deputada estadual em 2022.
RAÍZES –Mal fechadas as urnas eletrônicas de 2018, já começou a movimentação para 2022. A coluna apurou que uma jalesense poderá ser candidata a deputada estadual daqui a quatro anos. Trata-se de Lígia Zuri, 32 anos, nascida em Jales. onde viveu até a adolescência. Formada em Publicidade e Propaganda, com passagem de dois anos pela Inglaterra, ela é a atual Diretora de Comunicação da Prefeitura de São Caetano do Sul.

DNA – Lígia é filha do jalesense Jarbas Zuri Junior, ainda hoje vinculado à cidade onde nasceu e onde bate ponto uma vez por mês para visitar a mãe, sra. Amélia, os muitos primos e a legião de amigos. Morando em São Paulo há quase 30 anos, é membro da Comissão Executiva Estadual do MDB, tendo dado os seus primeiros passos na política como assessor parlamentar do saudoso deputado federal Roberto Rollemberg nos anos 80 e início dos 90. Depois, ganhou luz própria e abriu espaços. 

LAÇOS - Embora esteja voltado para a iniciativa privada, Jarbas, o pai de Lígia, circula com desenvoltura no alto clero da política dentro e fora do Estado de São Paulo. É próximo do deputado federal Baleia Rossi, líder do MDB na Câmara Federal. Aliás, foi ele quem fez o meio de campo que possibilitou ao vice-prefeito Garça pleitear e conseguir de Baleia a destinação de emenda parlamentar de R$ 1milhão e 250 mil para revitalização da Praça Dr. Euphly Jalles. Jarbas, o pai de Lígia, também tem boas relações pessoais com Arlom Viana, chefe do Escritório da Presidência da República em São Paulo, homem de confiança do presidente Michel Temer.

INFERNO ASTRAL – Embora tenha saltado de pouco mais de 22 mil votos em 2014 para 113 mil votos no último dia 7 de outubro, ficando entre os mais votados de seu partido, o polêmico deputado federal Fausto Pinato (PP) pode ter dado um tiro no pé na reta final da disputa estadual. Ao deixar a campanha de João Dória (PSDB) e bandear-se para as hostes do governador Márcio França (PSB) nos últimos sete dias do 2º turno, inclusive promovendo concentração em Fernandópolis, sua base eleitoral, no dia 24 de outubro, com 42 prefeitos, o parlamentar não ficou bem na fita com os ex-aliados. 

FERIDA ABERTA- O mal estar foi definido pelo jornal Diário da Região, de São José do Rio Preto, de 31 de outubro, de maneira a não deixar dúvidas sobre a saia justa. Na Coluna do Diário, voltada para os bastidores da política regional, o editor Rogério Castro escreveu: “Tão cedo o deputado federal Fausto Pinato (PP) não deve ser perdoado por ter “traído”. João Dória para ficar com Márcio França, pelo menos do que depender do DEM do vice-governador eleito Rodrigo Garcia. Eles não esquecem o dia em que o também deputado federal eleito Geninho Zuliani não pôde aparecer em ato de campanha no primeiro turno em Jales, cujo prefeito é democrata, por imposição de Pinato”.

SETE CHAVES – A nota do jornal rio-pretense ajuda a esclarecer o que aconteceu no dia 4 outubro quando Rodrigo Garcia (DEM), candidato a vice-governador, esteve em Jales, fez campanha na Praça João Mariano de Freitas e no comércio do quadrilátero central sem Geninho, lançado por ele e apoiado abertamente pelo prefeito Flá (DEM), amigo de fé e irmão camarada dos dois. O veto de Pinato a Geninho só veio a público agora em Rio Preto depois que a casa caiu.

TEMPERATURA MÁXIMA – Em Votuporanga, o bicho também está pegando por conta da eleição estadual. A imprensa daquela cidade relata que o deputado estadual reeleito Carlão Pignatari (PSDB) não ficou nada satisfeito com a postura do prefeito João Dado (SD) durante a campanha. Carlão acusou o prefeito de sua cidade de pedir a assessores no governo que votassem em Márcio França, além do que esteve no palanque que Fausto Pinato montou para França em Fernandópolis.  Dado usou as redes sociais para negar a acusação e afirmar que sua escolha “foi feita de forma aberta e justa”.

AFILHADO- Anotem este nome: Wilson Pedroso. Membro da equipe de transição chefiada pelo vice-governador eleito Rodrigo Garcia, ele deverá exercer funções no governo Doria. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, de segunda-feira, 5 de novembro, o primeiro encontro de Pedroso com Doria foi mediado pelo vereador Mário Covas Neto no flat do ex-deputado Júlio Semeghini, em janeiro de 2016, em uma reunião que foi o marco zero do projeto político do empresário, que então comandava o Lide (Grupo de Líderes Empresariais). Como se sabe, Semeghini, atualmente secretário municipal na administração do prefeito paulistano Bruno Covas, é casado com a jalesense Vanessa Bordon Bigulin e, sempre que pode, aparece por aqui.

CHÁ DE CADEIRA – O vereador Chico do Cartório (MDB) não está nada feliz com o desempenho da equipe de atendimento do Expresso Itamarati no terminal rodoviário de Jales. Segundo requerimento apresentado pelo edil, os usuários do transporte reclamam que além de longa espera no terminal, os passageiros não conseguem atendimento por telefone. E mais: o site da empresa não funciona para compra de passagens.