jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

QUANDO se pensava que a ideologia estava quase extinta depois da guerra fria e no Brasil pós governo militar, ela volta com tudo, criando novamente os grandes embates e interferindo nas questões políticas.

Contexto
25 de fevereiro de 2019
QUANDO 
se pensava que a ideologia estava quase extinta depois da guerra fria e no Brasil pós governo militar, ela volta com tudo, criando novamente os grandes embates e interferindo nas questões políticas, a partir das eleições, até os meandros  que envolvem a elaboração de leis e luta pela distribuição de renda mais justa.

ASSIM,
quando tudo parecia estar se aproximando de alguma forma de se alimentar discussões mais abrangentes, mas saudáveis e produtivas, em torno de soluções para tentar se resolver ou pelo menos amenizar as grandes questões sociais, tudo parece se resumir, novamente, em bate-bocas improdutivos.

ACONTECE
que quando um grupo vence o outro ele logo começa a impor suas ideias radicais, acirrando ainda mais os ânimos do outro lado num confronto muito mais agitado do que se vivia anteriormente.

OU SEJA,
é como vemos hoje no país, com a alternância no poder, assumindo um governo extremamente de direita, voltado para uma economia totalmente liberal, quando o anterior defendia a interferência do estado pelo menos nas situações mais sensíveis, em que se exigia maior atenção.

ESSE
desmonte do quadro anterior sempre acaba sendo combatido pelo outro lado, principalmente quando chega a interferir em questões consolidadas e importantes para a população, como foi a proposta de extinção do Ministério do Trabalho, quando se sabe que no país existem mais de 13 milhões de desempregados.

EM JALES,
O assunto foi tema de discussão na Câmara, quando o vereador Macetão propôs um voto de repúdio ao presidente Jair Bolsonaro por aquela decisão, mas os vereadores rejeitaram. Só ele e Tupete votaram a favor.

COMO
nas eleições, ficou claro, mais uma vez, a tendência do eleitorado jalesense que deu 5 a 1 para Bolsonaro, quando no país deu quase empate, só que desta vez, essa tendência foi manifestada não pelo eleitorado, mas pelos que o eleitorado elegeu como seus representantes no Legislativo. (Luiz Ramires)