jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

QUANDO o país passa por uma das piores crises da sua história, com mais de 12 milhões de desempregados, segundo o IBGE, é fácil imaginar que a situação é muito pior.

Contexto
10 de fevereiro de 2019
QUANDO
o país passa por uma das piores crises da sua história, com mais de 12 milhões de desempregados, segundo o IBGE, é fácil imaginar que a situação é muito pior, pois esses são apenas os que tinham e não têm mais carteira assinada.

MUITOS
até já desistiram de procurar emprego, depois de passar meses nas filas, entregando currículo ou atualizando os contatos nas redes sociais, à espera de algum milagre que nunca acontece, levando a uma legião cada vez maior de desocupados até por falta de opções a cair na informalidade onde procuram-se salvar fazendo bicos.

UM
quadro trágico como esse leva uma multidão ao procurar se especializar em alguma atividade que possa lhe oferecer uma profissão ou mesmo uma simples capacitação, na esperança de criar condições para, mesmo na informalidade, ter alguma forma de contribuir para com a renda familiar.

CLARO 
que existem cursos e mais cursos, alguns de altíssimo nível como os cursos técnicos da ETEC, de graça, e reconhecidos pelos empregadores como dos melhores que existem no país, ou de outras escolas que também desfrutam de prestígio, abrindo as portas para o mercado de trabalho.

PARA
quem quer aprender uma atividade em busca de renda fazendo produtos para vender ou prestando algum serviço de bom nível, os vários cursos oferecidos pela equipe do Fundo Social de Solidariedade, também gratuitos, são ótimas alternativas.  
MAS
é preciso ficar muito atento para não cair nas armadilhas oferecidas por oportunistas que querem apenas se aproveitar dessa situação, tirando do coitado o pouco dinheiro que ele já não tem, oferecendo dezenas de “cursos” de baixo nível, virtuais ou não, como verdadeiros caça-níqueis.

ESSAS 
arapucas pipocam pelas grandes e pequenas cidades, sendo que em Jales não é diferente, levando os pretendentes a uma profissão a um desgastante exercício de tolerância e conformismo, quando percebem que perderam tempo e dinheiro, sem nada aprender, dificultando ainda mais a situação. Quando se trata de escolher um bom curso, é bom se limitar aos mais confiáveis, pois em situações como essa, todo cuidado é pouco. (LR)