jornaljales@gmail.com
17 3632-1330

QUANDO a situação se agrava com os cortes em todos os setores, promovidos a partir do governo federal comprometendo a qualidade no atendimento dos mais diferentes serviços prestados à população a pretexto de salvar o país do buraco, a corda sempre acaba rompendo do lado mais fraco.

Contexto
24 de novembro de 2019
QUANDO
a situação se agrava com os cortes em todos os setores, promovidos a partir do governo federal comprometendo a qualidade no atendimento dos mais diferentes serviços prestados à população a pretexto de salvar o país do buraco, a corda sempre acaba rompendo do lado mais fraco.

SETORES
como educação, saúde e assistência, são sempre os mais lembrados, pela carência desses recursos que acabam resultando em uma situação que exige cada vez mais esforços também dos que estão no atendimento na outra ponta, ou seja, das administrações municipais, órgãos assistenciais, escolas públicas e instituições de saúde.

O GRATIFICANTE
em tudo isso é ver que apesar de tanta carência não faltam pessoas dispostas a trabalhar pelo próximo, se dedicando a prestar seus serviços com toda dedicação possível, passando para o outro lado, como por exemplo, dos pacientes nos hospitais.

UM DOS
exemplos mais recentes foi o caso de um empresário que fez questão de destacar o atendimento prestado por uma servidora de nome Júlia, da Santa Casa de Jales a um parente como narrou o colaborador do setor de qualidade do hospital, Fernando Azevedo.

SEGUNDO
ele, casos como estes são comuns pela preocupação com que o hospital tem, não apenas no atendimento, mas no acompanhamento e na assistência ao paciente durante todo o tratamento.

COMO
presidente do Grupo de Trabalho de Humanização do hospital, Fernando afirma que essa preocupação para com os pacientes e seus acompanhantes se estende para todos os setores onde estão sendo implantadas novas rotinas no atendimento, através de uma comissão composta por 16 pessoas que auxiliam nas discussões do que pode ser feito.

QUANDO
se sabe que as administrações que dependem do poder público precisam se virar para pagar as contas com dificuldades, muitas vezes criando até um clima pessimista, trabalhos como esse, envolvendo várias pessoas, são capazes de reverter comportamentos e se transformar em exemplos que devem ser seguidos, principalmente nos estabelecimentos de saúde. (Luiz Ramires)