jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

Projeto pode reduzir subsídio de vereadores para um salário mínimo

por Franclin Duarte (de Fernandópolis )
21 de janeiro de 2018
Vereadores de Fernandópolis podem passar a ganhar apenas um salário mínimo a partir de 2021
Está em tramitação na Câmara Municipal de Fernandópolis um projeto de lei de autoria do vereador João Pedro Siqueira (PTB) que visa à redução dos subsídios dos vereadores fernandopolenses para três salários mínimos. A iniciativa foi protocolada na sexta-feira, 12, e já recebeu uma emenda diminuindo ainda mais o valor: um salário mínimo. 
A emenda foi proposta pelo vereador Salvador de Castro (PDT) e assinada por oito de seus colegas – ÉtoreBaroni (PSDB), Murilo Jacob (PR), JulioZarola (PR), Tonho Pintor (PSC), MilenoTonissi (PR), Gilberto Vian (DEM) e Janaina Alves (PSD) e Ademir de Almeida (PSD). João Pedro queria reduzir dos atuais R$6.306,83para R$ 2.862,00. Já seus colegas querem apenas R$ 974. 
“A população enxerga o vereador como uma fonte inesgotável de pedidos, de ajuda, então se você ganhar três, dois ou um é a mesma coisa, porque com um aí não tem como doar nada, pois vai doar o que. Eu, por exemplo, tenho como provar que grande parte do meu salário é para ajudar algumas entidades, alguns pedidos de famílias, pessoas que realmente necessitam e que a gente não divulga, mas todos sabem. Então eu disse que já que eles querem abaixar o salário, então coloca já um salário mínimo, que todo mundo já sabe que é isso e boa. Aqueles que se predispõe a trabalhar pela cidade, que vá trabalhar e a vida segue”, disse Salvador em entrevista à rádio Difusora. 

REELEIÇÃO
Questionado sobre se com apenas um salário mínimo ele será candidato na próxima eleição, Salvador garantiu que sim. “Eu coloquei um salário e sou candidato para a próxima eleição sem problema algum”, afirmou. 
Sobre a possibilidade de sua emenda ser aprovada ou não, Salvador afirma que irá respeitar a vontade da maioria e que apoia o que for melhor para a cidade. “Respeito a maioria, sempre respeitei. Aquilo que for proposto e for de melhor para a nossa cidade eu estarei junto. Como eu tenho um bom trâmite na Casa eu pedi e aqueles assinaram com a gente. Só que eu não forcei ninguém e nem obrigarei ninguém a votar, agora fica de acordo com a consciência de cada um”, concluiu. 
Situação semelhante aconteceu na legislatura passada. À luz da repercussão negativa dos projetos intitulados como “Trem da Alegria”, o então vereador Rogério Chamel (PSC) apresentou projeto com o mesmo objetivo, mas ele acabou sendo retirado de pauta antes mesmo de entrar em votação. 
As nove assinaturas na emenda, em tese, já garantem sua aprovação por maioria simples em uma possível votação na Casa. A não ser que o projeto seja retirado, como no caso anterior. 
“Espero que eles não voltem atrás”, diz João Pedro
Procurado, João Pedro disse que a emenda apresentada ao seu projeto fortalece ainda mais a sua iniciativa de ouvir a população para que ela diga qual deveria ser o salário de seus representantes. 
“Cada um faz aquilo que acha certo, muito embora estranha-me o fato de que não só o apresentante, como também alguns vereadores tiveram a oportunidade de fazer isto anteriormente e não o fizeram. Mas acho que toda a emenda que vem de acordo com o que o povo quer é bem-vinda. Agora temos que ouvir a população e deixar que ela proponha o salário que acredita que seus vereadores sejam merecedores”, disse. 
Quando questionado sobre se acredita no sucesso de seu projeto, João Pedro disse que diante da posição dos que assinaram a emenda, a aprovação, pela lógica, é certa. 
“Pelo jeito já consegui sucesso. Acredito eu que as pessoas que assinam um projeto de emenda, não fazem isso por brincadeira, a pessoa tem que ter seriedade naquilo que faz. Espero que todos que assinaram essa emenda, na hora da votação cumpram com o papel deles e não voltem atrás. Acredito então que teremos sucesso num projeto que vem ao encontro daquilo que a população quer”, completou. 
Se aprovado, o novo salário, seja de três ou um salário mínimo, valerá apenas para o próximo mandato a partir de 1º de janeiro de 2021.