quarta 14 abril 2021
Editorial

Prevaleceu o bom senso

Dias antes da posse, Luís Henrique Moreira, então prefeito eleito, sondou um ativista comunitário sobre o que achava do nome de Wilter Guerzoni para a Secretaria Municipal de Esportes. Consta que a resposta foi direta e reta: “você está começando bem”.

Na mesma época, outro jalesense de coração, desejoso de que a cidade avance, também fez chegar a LH a opinião de que a extinção da Secretaria Municipal de Comunicação em plena época de pandemia, prevista no rascunho da reforma administrativa, seria gol contra. O prefeito raciocinou e manteve não somente o status da Comunicação como também seu titular na administração anterior, Douglas Zilio.

Valeu a pena. Os dois, que mal se conheciam, passaram a jogar juntos em nome do interesse público. O traço de união foi o Fórum Jales 2030, idealizado por Wilter, para discutir um plano decenal de esporte e cultura, projeto abraçado por Douglas, que mobilizou a equipe que o assessora na divulgação do primeiro grande evento da atual administração programado para anteontem, sexta-feira, dia 26 de fevereiro.

O encontro cresceu de tal forma que, paradoxalmente, obrigou os organizadores e a cúpula da Prefeitura a adiá-lo, dado o momento que o país vive em termos de contaminação pelo coronavírus. Foi uma pena já que todos os convidados, inclusive os de São Paulo, já tinham confirmado presença, porém, há que se reconhecer que não havia outra alternativa.

Como Jales não fica em Marte, seria uma temeridade insistir na programação já que um dos pressupostos para evitar a propagação do vírus é evitar aglomerações, apelo repetido à exaustão por cientistas e pesquisadores.

Além do mais, não dá para flertar com o perigo. Os secretários Wilter e Douglas, em épocas diferentes, o prefeito Luís Henrique, a primeira-dama Alziane Rossafa Moreira, a vice-prefeita Marynilda Cavenaghi Nacca e o chefe de gabinete José Ângelo Caparroz Vieira, recentemente, já foram contaminados pelo inimigo invisível e traiçoeiro.

Tudo isso sem contar que, três dias antes do Fórum, o Centro de Regulação da Secretaria Estadual de Saúde direcionou para a Santa Casa de Jales dois pacientes de Araraquara, que está em lockdown , sem vagas nos hospitais.

No mesmo dia, o Colégio Anglo suspendeu as aulas presenciais e até a pequenina Vitória Brasil, por determinação do prefeito Paulo Miotto, impôs aos habitantes severas restrições.

Para fechar a conta, 48 horas antes do encontro, o governo estadual restringiu a circulação dos paulistas das 23 horas às cinco da manhã do outro dia a partir de sexta-feira (26), exatamente a data do Fórum.

Diante de tal quadro, insistir na realização do evento seria pura irresponsabilidade, com grande desgaste para a administração municipal.

Felizmente, prevaleceu o bom senso.


Desenvolvido por Enzo Nagata