quarta 03 junho 2020
Arquibancada

Posse de bola e futebol bonito encantam início de Sampaoli

Único país capaz de vencer cinco Copas do Mundo revelando atletas marcantes, o Brasil tradicionalmente foi conhecido por praticar o futebol bonito, porém isso foi perdido nos últimos anos. Apesar dessas mudanças, o início de 2019 no Campeonato Paulista vem proporcionando belos espetáculos, e um argentino tem sido o responsável por isso: Jorge Sampaoli.
Com ideias modernas de jogo, semelhantes às de grandes técnicos do futebol europeu como Pep Guardiola, o trabalho do treinador santista tem três características que se destacam, fundamental para a engrenagem de uma equipe.
A primeira delas é a posse de bola. Com a preocupação de ter a bola e a partir disso proporcionar danos ao adversário, o Peixe consegue encurralar e envolver os rivais com bons passes que, muitas vezes, se iniciam a partir do goleiro Vanderlei. Sem a bola, a pressão é alta com o objetivo de recuperá-la o mais rápido possível.
Outro ponto que chama atenção é a organização da equipe da baixada. Apesar da variação tática do 4-4-2 para o 3-5-2, Sampaoli consegue manter o time organizado, sem sofrer sustos e com alto poder ofensivo.
Por último, a intensidade impressiona e também é algo marcante. Com liberdade para os jogadores que atuam pelo lado do campo, o time muitas vezes joga sem centroavante, mas compensa isso com a velocidade dos alas, e a movimentação de pontas que sempre se apresentam próximos a área adversária.
Diante das dificuldades financeiras do clube e da ausência de contratações de peso, é necessário destacar a capacidade de Sampaoli recuperar jogadores contestados. Os dois maiores exemplos disso são o volante Alison e o meia Jean Mota.
Conhecido por não reunir grandes recursos técnicos, o camisa 5 sempre se destacou na marcação, porém agora é um dos líderes de assistências da equipe. Já Jean Mota nunca havia se firmado no Peixe, contudo neste momento é o artilheiro do Paulistão com três gols e um dos melhores jogadores da competição.
Apesar de ser início de ano, é possível perceber que o Santos está no caminho certo. Mesmo assim, a diretoria capitaneada pelo presidente José Carlos Peres não pode deixar de lado a necessidade de reforçar o elenco do Peixe, para no futuro ter condição de almejar títulos sob o comando de Sampaoli.

Eduardo Martins 
 (jalesense, aluno do 2° ano de jornalismo da PUC-Campinas) 
Desenvolvido por Enzo Nagata