jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

Polícia aguarda laudos para saber como morreu o rapaz que inalou gás de desodorante

por Luiz Ramires
18 de março de 2019
Ainda repercute intensamente a forma com que o adolescente Carlos Neto Andrade da Silva, de 17 anos morreu nesta terça-feira, dia 12 de março, depois de inalar desodorante no quarto do alojamento onde morava, na Escola Técnica Agrícola de Jales.
O delegado operacional Sebastião Biazi confirmou as informações registradas em boletim de ocorrência pelos policiais que atenderam o caso revelando que o adolescente chegou já sem vida à UPA (Unidade de Pronto Atendimento).
Dois rapazes que moram no mesmo alojamento e estavam no local no momento em que o jovem inalava o desodorante informaram à polícia que depois do ato ele começou a passar mal. Os rapazes disseram que ele colocou uma toalha no rosto e começou a espirrar desodorante na cara, inalando o gás. Ao todo, ele teria inalado dois frascos. O jovem começou a passar mal e caiu no chão. Os garotos chamaram o segurança da escola, que acionou o Samu.

POLÍCIA
Segundo o delegado, os médicos do Samu que atenderam a ocorrência tentaram reanimá-lo, mas não conseguiram. As investigações continuam enquanto a polícia aguarda os laudos necrológico e dos frascos para que possa ser instaurado um inquérito policial sobre o fato, para confirmar como ocorreu a morte do rapaz que segundo o delegado pode ter sido por parada cardíaca.
O delegado informou que não é novidade os jovens se utilizarem do que chamam de carburar com narguilé, que é um inalador oral onde eles colocam não apenas água, mas álcool e outros produtos. Tanto que a venda do narguilé é proibida para menores.
Outro agravante, segundo o delegado é que o rapaz não aspirou o gás tóxico do desodorante pela boca, mas pelo nariz, cobrindo com uma toalha, o que com certeza agravou a situação.

FAMÍLIA
No boletim de ocorrência, consta que o rapaz é de Itapagipe (MG), mas a família mora em Carneirinho (MG). O corpo do jovem foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) para exame necroscópico, antes de ser liberado para a família.
Em nota, o Centro Paula Souza disse que o aluno passou mal à noite no alojamento. O centro disse que o Samu foi acionado e a família, avisada. A nota diz ainda que “O Centro Paula Souza e a direção da Etec se solidarizam com os pais do estudante pela fatalidade e esclarecem que as aulas na unidade foram suspensas nesta quarta-feira”.
O pai do estudante, o motorista José Carlos Teixeira, de 39 anos, disse ao site de notícias G1, da Rede Globo que já flagrou o filho inalando o produto uma vez e que havia orientado o adolescente para não fazer mais aquilo. Ele contou que o adolescente cursava o terceiro ano e que recebeu a notícia da morte por telefone.

Outro jogo da morte
O que aconteceu com o jovem de 17 anos que morreu depois de inalar dois frascos de desodorante é uma modalidade de jogo na internet, não muito novo, mas que vem ganhando força e já resultou em algumas mortes no país e em vários casos de internações no Brasil e no mundo.
É uma espécie de desafio que veio substituir o Baleia Azul que em 2917 matou vários jovens que enfrentavam desafios muitas vezes resultando no suicídio do participante do jogo.
Desta vez o que vem crescendo é o “desafio do desodorante” ou “desafio do aerossol” que consiste em medir quanto tempo a criança ou o adolescente consegue inalar o spray do aerossol, normalmente via oral.
Além da morte por parada cardíaca, a inalação pode causar graves problemas renais e intoxicações. (LR)