jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

Pobre do que?

perspectivas por Caroline Guzzo
04 de março de 2018
Caroline Guzzo (é jornalista)
Ser pobre não é defeito como diz inúmeras pessoas, defeito é ser pobre de espírito, pobre de conhecimento, pobre de amor, pobre de educação e pobre administrador, aquele que não sabe organizar sua vida financeira e familiar.
Temos aquelas pessoas que ganham um salário por mês e sabem conduzir perfeitamente seu cotidiano, sem problemas financeiros, as vezes dá uma apertadinha, mas sempre conseguem superar a crise. Outros que moram em lugares míseros e quando ganham uma bonificação, uma herança ou arrumam um bico extra esquecem de investir e multiplicar o que tem, acham que estão ricos e saem esbanjando, ignorando que isso é passageiro e poderá lhes fazer falta futuramente. É aquele famoso cara que não tem onde cair morto, mas gastou horrores para fazer algo que gosta muito, esquecendo da consequência. 
Podemos citar ainda os inúmeros exemplos de ganhadores de loteria que não souberam administrar a fortuna e ficaram pobres novamente em pouco tempo. Onde quero chegar com isso tudo? Façamos uma analise como a falta da educação financeira é um desfalque em nossas vidas. Já pensou se nas escolas públicas tivéssemos uma matéria somente para isso? Ah, mas você acha mesmo que o Governo quer ensinar o povo a mexer com dinheiro? Os poderosos não querem investir em educação, muito menos financeira, afinal todos os brasileiros poderiam ser mais independentes, teriam mais condições de averiguar e cobrar a roubalheira. 
Faço uma crítica para todos nós. Como estamos trabalhando com o nosso dinheiro? Gastamos mais do que ganhamos? Temos a necessidade de mostrar às pessoas o que de bom conseguimos comprar? Aquele celular da moda, aquela roupa descolada lançada na novela, tantas novidades que você perde a noção do que realmente precisa para sua sobrevivência. 
Com diz Mário Sergio Cortella a pobreza não é fruto do acaso, a resistência de pessoas com uma condição de vida degradada na sua dignidade resulta de práticas intencionais, seja em relação ao egoísmo da convivência ou em relação ao desvio de patrimônio público. A pobreza não desaba dos céus, ainda mais estando em um território como o Brasil que possui uma série de ações que conduzem aos resultados positivos, afinal acima de tudo o país tem condições no ponto de vista material, territorial, populacional e climático, portanto a pobreza não é fruto do acaso.
Para tanto, antes de reclamar da sua situação, comece a colocar no papel suas prioridades, pendências, viva a sua realidade e não tenha receio disso. Como diria Santo Agostinho “Não sacia a fome quem lambe pão pintado”.

Caroline Guzzo
(é jornalista)