jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

PIB

A queda do PIB 
06 de abril de 2015

O Brasil atravessa uma de suas mais graves crises. Politicamente, a coisa não vai bem. Escândalos de corrupção, como o da Petrobras, a maior vergonha que os brasileiros já tiveram notícia, com repercussão negativa no mundo todo e risco de evasão de investimentos por parte de grandes empresas estrangeiras.
Agora, novos casos começam a surgir, com os possíveis desvios de recursos no programa Minha Casa Minha Vida (R$ 200 milhões); também na Receita Federal – pasmem! R$ 19 bilhões, que, de alguma forma, foram canalizados para outros fins.
Para completar, vem a notícia da última sexta-feira, dia 27, de que a economia brasileira cresceu apenas 0,1% em 2014, em relação ao ano anterior, conforme divulgou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Os números indicam que a taxa de investimento no ano de 2014 foi de 19,7% do PIB, abaixo do observado em 2013 (20,5%). A taxa da poupança foi de 15,8% em 2014, ante 17,0% em 2013.  Em suma, em 2014, o governo gastou muito, perdeu receitas importantes e levou o país a um déficit público recorde.
E as más notícias não param: restrição de crédito no mercado, aumento do desemprego, inadimplência, falta de contratação de obras, queda dos negócios, o não pagamento de fornecedores, envolvimento de grandes construtoras na Operação Lava Jato, e ainda a escassez de energia. Não quero ser taxado de pessimista, mas a somatória de tudo isso nos leva a crer que 2015 será um ano de muitas dificuldades. Aliás, vislumbra-se que atravessaremos quatro anos em marcha bem lenta.
O fraco resultado de apenas 0,1% é fruto dos juros altos, que esfriam a economia, e da falta de um projeto de desenvolvimento industrial consistente e de longo prazo. A queda vertiginosa do PIB é resultado de uma política econômica equivocada, que só beneficia o setor financeiro e os especuladores, prejudicando a produção e a geração de empregos.
O governo precisa dar uma reviravolta, fazer muitas mudanças e uma limpeza no que é nocivo para o bom andamento do País, rever uma agenda focada no desenvolvimento, no incentivo à produção e na geração de emprego. Vamos torcer para que Deus nos ajude e possamos retomar o trilho do desenvolvimento.

Carlão Pignatari
(é Deputado Estadual – líder da Bancada do PSDB na Assembleia Legislativa)