jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

Para evitar o vexame

por Lucas Rossafa
29 de outubro de 2017
Lucas Colombo Rossafa
O Corinthians enfrenta a sua pior sequência no Campeonato Brasileiro e possui a menor vantagem na liderança desde julho. Sem vencer a três jogos, o Timão não tem resultado nem desempenho e há muito a resolver. É aí que mora o problema, a razão pela qual o torcedor se preocupa e os rivais sonham com o título.
A diferença para os perseguidores é bacana, mas a gordura criada até o meio de agosto não existe mais. As virtudes mais importantes da equipe desapareceram. Falta infiltração, velocidade, lances individuais, dribles e defesa mais consistente. E Fábio Carille sabe disso. Diante do Botafogo, as mudanças no time que considerava ser o ideal, pela primeira vez, são reflexo desse raciocínio –Romero deu lugar a Marquinhos Gabriel.
É impressionante como o time de Itaquera tem cometido erros bobos, sobretudo em passes. Jogadores que eram praticamente perfeitos, como Fagner, Guilherme Arana e Jadson, erram toques que, na teoria, parecem ser simples. O camisa 10, inclusive, desde a contusão nas costelas, sumiu. A falta de postura do treinador para colocá-lo entre os reservas dificulta a evolução. Afinal, mantê-lo em campo tem sido sinônimo de lentidão na armação e narecomposição.
Depois do 1º turno avassalador, o Coringão já está bem estudado. Detalhado pelos adversários, os atletas caíram de rendimento. Rodriguinho tem dificuldades para criar, Maycon sofre para contribuir no ataque e o sistema defensivo, antes impecável, chama atenção. O defeito principal se encontra nas bolas aéreas.Mais da metade dos gols sofridos no Brasileirão saiu em jogadas do tipo. É muita desatençãoe falta de diálogo.
Embora a invencibilidade nos 19 confrontos iniciais fuja à realidade,os 36% de aproveitamento na segunda parte está apenas um pouco abaixo daquilo que se esperava. Como se sabe, o Corinthians não tinha recursos para contratar e, consequentemente, não conseguiu construir grande elenco, caracterizado pela escassez de boas opções no ataque – a exceção é Jô. A verdade é que, antes, o Timão sabia das suas limitações, transpirava sangue e se dedicava de forma impressionante para vencer. Agora, não é assim.
A partida deste domingo, diante da Ponte Preta, em Campinas, ganha outra dimensão depois das últimas rodadas. Os três pontos são vitais para os dois lados, já que a Macaca briga para não ser rebaixada. Se o Corinthians não for campeão, será o maior vexame na era dos pontos corridos. Como não há tempo a perder, é preciso ter cabeça fria e, claro, voltar a jogar bola.Seguir à risca tais requisitos é primordial para continuar no topo e afastar a instabilidade.

Lucas Colombro Rossafa
(jalesense, estudante do 3° ano de jornalismo da PU/ Campinas)

Twitter   @lucas_rossafa