jornaljales@gmail.com
17 3632-1330

Padeiro mais antigo da cidade conta sua história

por Luiz Ramires
21 de abril de 2019
O padeiro mais antigo de Jales está completando 58 anos de atividade e continua trabalhando em sua padaria, a Via Pães, na Avenida Francisco Jalles, junto com seu filho, Ordalino Júnior. Ordalino Alves de Oliveira que esta semana ( dia 23 de abril) está chegando aos 73 anos, é casado e tem cinco filhos, além de cinco netos, uma neta e uma bisneta.
Ordalino chegou a Jales em 1963, vindo de Votuporanga, onde começou a trabalhar como padeiro aos 15 anos, na Padaria Progresso. Em Jales ele passou a trabalhar na padaria que também tinha o nome de Progresso, de propriedade de Osmar Nogueira de Souza, na Rua 9, entre a 8 e a 10.
Lá ele trabalhou durante 17 anos, quando comprou a Padaria São Jorge, na Rua 8, onde também permaneceu por mais17 anos.  Durante dois anos ele ficou fora de Jales e quando voltou, abriu a Via Pães, na Avenida Francisco Jalles, que em maio estará completando 22 anos.

MUDANÇAS
A rotina do padeiro, nesse período não alterou muito, mas muita coisa mudou, principalmente no preparo dos ingredientes, sendo que vários já vêm prontos. A quantidade de pães produzidos também caiu muito. Ele lembra que o consumo de farinha de trigo somando todas as padarias de Jales, quando ele chegou, atingia 70 sacas de 50 quilos e hoje não passa de 20 por dia.
Isso fez com que as padarias que viviam basicamente de pães, bolos e doces fossem se adaptando, oferecendo outros produtos e serviços, buscando mais clientes.
Em sua rotina diária, Ordalino acorda às quatro horas da madrugada, vai para a padaria onde começa a fazer os pães, com a ajuda do filho. Às nove horas ele vai para casa e retorna por volta das 14 horas e fica até a noite.
Ordalino lembra que quando chegou a Jales nem existia asfalto que só começou a ser colocado alguns anos depois. Hoje ele se orgulha de dizer que já está na terceira geração de padeiros, pois além de seu filho Júnior, um de seus netos, que aprendeu com ele, abriu uma padaria, no Jardim Paraíso. Há ainda um genro que também é padeiro.
Ordalino afirma que a cidade sempre o acolheu muito bem, desde quando chegou, tanto que até hoje permanece na atividade que pretende continuar por mais algum tempo, antes de se aposentar.