jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

O futuro da parreira e da horta

Editorial
27 de agosto de 2017
Houve um tempo, no final dos anos 80 e início dos 90, que Jales era conhecida no Brasil inteiro por produzir uva fora de época e pela sua equipe  profissional de basquete recheada de medalhões da seleção brasileira.
O esporte projetou o nome da cidade graças às transmissões da televisão aberta e a fruta enchia os conterrâneos  de orgulho quando se deparavam nos mais longínquos locais do país com caixas devidamente identificadas como “uva de Jales”.
Infelizmente, os jalesenses não souberam transformar em negócios ($$$) o boom do basquete, eis que estavam com a faca e o queijo na mão, pois equipe daquele nível, no interior paulista, só existia em Franca.
Já em relação à uva  houve herança bendita porque foi graças ao empenho de produtores e ao esforço político de lideranças locais e regionais —leia-se deputado federal Vadão Gomes — a Embrapa instalou uma unidade em Jales, hoje denominada de Centro de Viticultura Tropical, que anda desenvolvendo variedades até para exportação.
Pois bem, a memória de quem viveu a época de ouro vai ser reavivada no próximo fim de semana, dias 1º e 2 de setembro, com a 12ª Feira do Agronegócio da Uva  e do Mel.
São esperados aproximadamente 200 expositores de uvas, além dos produtores de mel, cujos produtos serão mostrados e comercializados na Praça João Mariano de Freitas, o que vai facilitar a vida de quem deseja passar pelo recinto,  que estará totalmente coberto.
Estão envolvidos na organização do evento, além da equipe da Secretaria Municipal de Agricultura, pesquisadores da Embrapa, Cati- Regional de Jales, Fatec, Etec, Cooperativa de Produtores Rurais, demonstração clara de que todos acreditam que a uva e o mel continuam sendo bom negócio.
Por outro lado, exatamente um mês antes da Feira da Uva, em encontro organizado pelo Coteder- Território Noroeste Paulista,  a cidade sediou um outro evento técnico-científico que tem tudo a ver com o momento que o mundo está vivendo —o III Seminário de Agricultura Orgânica. 
A medida de importância despertado pelo encontro  foi a presença de 700 pessoas oriundas de 62 municípios de cinco estados, sequiosas não somente de obter informações nas palestras, oficinas e feiras, mas também de promover a interação entre produtores, técnicos, empresas e estudantes de cursos técnicos de várias universidades.
Por conta disso, acredita-se que Jales pode se tornar referência na produção de produtos orgânicos, fato fartamente demonstrado pelo interesse de pequenos produtores em obter o selo de certificação.
Além do mais, a Prefeitura de Jales já disponibilizou para os produtores da cidade e região um pavilhão só para a comercialização de orgânicos, ao lado do Comboio, a nossa principal feira.
Ou seja, o caminho já está aplainado e a perspectiva é de que surjam, a médio prazo, associações ou cooperativas do gênero não somente em Jales, mas em toda a região.