Contexto

O crime não compensa.

O crime

não compensa. Após dois anos da deflagração da operação “Farra no Tesouro” da Polícia Federal, que investiga desvios superiores a R$ 5 milhões dos cofres da Prefeitura de Jales efetuados pela ex-tesoureira Érica Cristina Carpi, a Justiça de Jales marcou para o dia 23 de fevereiro de 2021 o primeiro leilão dos bens de Érica.

SEGUNDO 

informações oficiais, o leilão vai incluir mercadorias e mobílias das três lojas pertencentes à família. A loja mais bem avaliada é a Betto Calçados, localizada na Rua 12, centro de Jales. Os calçados da loja foram avaliados em R$ 1,6 milhão e as mobílias e outros acessórios em R$ 100 mil.

loja Club Kids de roupas infantis, na Rua 10, centro de Jales, teve as mercadorias avaliadas em R$ 413 mil e as mobílias em R$ 85 mil. Já a loja de calçados Xic Pé, localizada no centro de Santa Fé do Sul, as mercadorias foram avaliadas em R$ 416 mil e as mobílias em R$ 70 mil. Além disso, o leilão também vai incluir algumas joias apreendidas pela PF, avaliadas em R$ 5 mil.

PORÉM, 

a chácara da família estimada em quase R$ 1,4 milhão, na zona rural de Pontalinda, não foi incluída na relação dos bens que serão leiloados, como também os seis veículos apreendidos que estão sendo usufruídos pela Prefeitura de Jales.

Justiça também informa que se for necessário um segundo leilão dos bens da ex-tesoureira, ele será realizado no dia 16 de março de 2021. Deste modo, o segundo leilão só vai acontecer se não acontecer lances superiores ao valor da avaliação dos bens no primeiro leilão, podendo ser arrematados por valores não inferiores a 80% do valor estimado. (Bruno Gabaldi)