jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

NINGUÉM, em sã consciência pode negar a necessidade de se implantar regras para organizar a convivência nas áreas urbanas ...

Contexto
06 de agosto de 2017
NINGUÉM, 
em sã consciência pode negar a necessidade de se implantar regras para organizar a convivência nas áreas urbanas, principalmente nos locais de maior movimento de pessoas e veículos.

ISSO,
evidentemente inclui formas de acessibilidade para a locomoção, inclusive de veículos, dando o direito de todos usufruírem dos espaços públicos de forma democrática, sem abusos, para que possam cumprir suas obrigações, como pagar contas e fazer suas compras.

ESSE ASSUNTO
nunca deixou de ser abordado, mas voltou à pauta de discussões de forma mais intensa, desde meados de junho, quando a empresa goiana Tetran deixou de administrar a área azul (ou zona azul) e várias sugestões passaram a ser apresentadas, inclusive por vereadores que indagaram da Prefeitura a possibilidade desse serviço ser realizado por alguma entidade assistencial.

HOJE
já existem estudos feitos pela Secretaria Municipal de Planejamento que vem ouvindo a comunidade e as entidades como a Associação Comercial e Industrial que apresentou algumas sugestões que, parece, estão sendo acatadas para que todos os segmentos envolvidos possam ser atendidos, sem prejuízo aos cidadãos que são os principais interessados.

A TECNOLOGIA
é um aliado importante nessa questão para que possa ser contratada uma empresa competente, mas por outro lado, pode, sim, criar uma situação do que se passou a chamar de excesso de rigidez que vem provocando polêmica em muitas cidades onde isso já foi feito, mesmo porque o objetivo tem que ser disciplinar e não arrecadar.

OU SEJA,
tudo depende da forma e das regras que serão impostas, inclusive dando condições para que as pessoas mais simples ou idosas possam também usar esses espaços públicos, sem depender do celular para estacionar usando  aplicativos. Também é preciso dar alguma mobilidade antes de aplicar a multa que passa a ser automática, sem possibilidade de qualquer argumentação ou recurso.

AO MESMO TEMPO
os comerciantes e funcionários dos estabelecimentos devem se conscientizar de que a prioridade de estacionamento deve ser para o consumidor , incentivando a presença dos mesmos na área central, contribuindo, automaticamente, para o aumento das vendas, fazendo o dinheiro girar na própria cidade, como benefícios para todos. (LR)