jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

Mobilidade urbana é planejar uma cidade priorizando as pessoas, propõe jalesense

VISÃO DE FUTURO
18 de fevereiro de 2018
Esboço sobre uma possível transformação da Rua 10 (ao lado da Mila Cosméticos) em um plaza/rua exclusiva para pedestres ou calçadão)
Mobilidade e acessibilidade urbana são um dos fundamentos para se pensar no futuro de qualquer planejamento de cidade. Apesar de Jales ser um município de apenas 50 mil habitantes, isso não pode ser usado como desculpa para a inação quanto a essa questão. Qualquer planejamento urbano que preze por seriedade considera vital pensar em melhoria da mobilidade urbana. No caso de Jales, a utilização de um sistema público de ônibus talvez seja difícil no curto e médio prazo, mas não pode ser descartado para o futuro. Além do mais, é possível pensar em outras alternativas que podem impactar de forma extremamente positiva a mobilidade urbana no município.
Uma das alternativas para a mobilidade urbana do município é o estímulo ao uso de bicicletas. É importante compreender que há muitas pessoas interessadas em pedalar mais ativamente na cidade, mas devido à ausência de um lugar apropriado para estacionar uma bicicleta no centro de Jales (ou em qualquer lugar na cidade), e que as ruas e avenidas proporcionam nenhuma segurança para o ciclista em relação ao trânsito de veículos, isso tudo acaba por afastar as pessoas da bicicleta.
A infraestrutura cicloviária é simples: ciclo faixas, sinalizadas e com uma separação em determinados trechos para a proteção de ciclistas, além da instalação de locais para o armazenamento de bicicletas. Essa política pública pode ser considerada de fácil aplicação em Jales uma vez que os custos para a criação de ciclovias são baixos e os desafios em Jales para a construção são menores do que os encontrados em grandes cidades. A ideia é que o uso de bicicletas não seja apenas uma forma de lazer, mas o estímulo ao uso de bicicletas para um número máximo possível de atividadestemcomo potencial reduzir o número de automóveis circulando na cidade, consequentemente, contribuindo com uma maior mobilidade e circulação de pessoas de forma sustentável, além de benefícios ao meio ambiente, qualidade de vida e bem-estar da população.
A infraestrutura cicloviária poderia ser criada pensando numa verdadeira rede de ciclo-faixas e ciclovias cruzando o centro da cidade, ligando escolas e praças, e também bairros de maneira a estimular o uso da bicicleta para ir ao trabalho e à escola, ou seja, conectando os locais com o maior fluxo de pessoas. É notável a dificuldade de se estacionar no centro de Jales durante horário comercial e a grande quantidade de carros no horário de pico sendo mais uma evidência para se repensar o uso do automóvel de maneira sustentável na cidade. É extensivamente reconhecido por planejadores urbanos pelo mundo que o alargamento de ruas e avenidas, e uma maior oferta de estacionamento não contribuem com a redução do trânsito, pelo contrário, ao longo prazo a tendência é a geração de mais trânsito na cidade.

CALÇADÃO 
Outra alteração do espaço urbano que seria de grande valia para toda a cidade é a criação de uma zona exclusiva de pedestre, ou “calçadão” como popularmente conhecido. Uma área livre de carros e aberta para pedestres seria um ponto de atração não somente de compras, mas de lazer para a população que sente a ausência de espaços públicos para essa finalidade. Nesse espaço a arborização poderia ser melhorada assim como iluminação, calçamento, acessibilidade, acentos públicos que poderiam ser usados próximos à restaurantes e cafés, e também a disponibilidade de um espaço para eventos e apresentações culturais. Não somente a população seria beneficiada pela criação de um novo espaço público, mas também o comércio seria o grande beneficiário pois aumentaria o número de pessoas circulando nesse espaço o que consequentemente tende a impactar no aumento das vendas do local. No entanto, não somente a criação de um “calçadão” seria necessária, mas também a melhoria das calçadas é fundamental para garantir maior segurança, acessibilidade e “caminhabilidade” para os pedestres. Dentre alguns elementos dessa melhoria são o alargamento das calçadas, travessia de pedestres elevadas, infraestrutura verde, e elementos importantes de mobília urbana e infraestruturapara pedestres.
O incentivo ao uso de bicicletas está ligado à criação de zonas de pedestres e melhoria do espaço de circulação de pedestres. Não somente isso, qualquer tipo de iniciativa de melhoria do espaço público precisa ser pensado para todo o município e não somente para a área central, mas inclusive para as áreas periféricas com a melhoria e manutenção das praças e construção de instalações esportivas de acesso ao público.Pensar em melhorar a mobilidade e acessibilidade urbana em qualquer cidade ou país hoje no mundo é pensar em planejar cidades para pessoas.

 Thiago Nossa Neto
(Graduado em Relações Internacionais – Facamp (Faculdades de Campinas). Pós-graduado em Negociações Internacionais – UNESP (Universidade Estadual Paulista). Mestrando em Práticas de Desenvolvimento – Planejamento Urbano (último semestre) – Universidade de Queensland-Austrália)