quarta 08 abril 2020
Justiça

Juíza descarta argumento e condena usuário por “gatos” em empresa

Operação da Polícia Civil de Jales deflagrada há três meses para apurar denúncias de desvios de energia elétrica começa a render punições. 
Alguns investigados, inclusive empresários, estariam causando prejuízos para a Elektro, o que já vinha acontecendo há um bom tempo.
Uma dessas acusações teve desfecho na semana que passou, com a condenação de um desses envolvidos, acusado de instalar “gatos” em dois medidores de sua empresa. Um dos “gatos” foi descoberto em julho de 2018. O empresário foi condenado pela juíza de 4ª Vara de Jales, Maria Paula Branquinho Pini, a uma pena de cinco anos de reclusão, em regime inicialmente semiaberto, além do pagamento de 24 dias-multa que corresponde a cerca de R$ 5 mil. O empresário ainda pode recorrer da decisão em liberdade.
Em sua sentença, a juíza destaca que um desses “gatos” durou 22 meses, causando prejuízo em torno de R$ 32,9 mil à Elektro e o outro ficou instalado durante dois meses, mas apenas nesse período o prejuízo para a operadora teria sido de R$ 14,8 mil.  
A juíza não acreditou no argumento do usuário de que teria sido enganado por um homem que disse se chamar Cláudio e que foi responsável pela instalação de um dos “gatos”, afirmando que estaria instalando um aparelho para economizar energia e que tudo estava sendo feito de forma lícita.
Além de afirmar que qualquer alteração nos medidores de energia elétrica só pode ser feita pela concessionária, a juíza destaca que como empresário, o acusado deveria ter essa informação e que, portanto, o argumento de que não sabia que era irregular, não tem fundamento.
Desenvolvido por Enzo Nagata