quarta 03 junho 2020
Arquibancada

Jovens mudam a cara da convocação de Tite

Na última chamada antes da convocação definitiva para a disputa da Copa América, Tite surpreendeu. Acostumado a apostar em jogadores experientes e de confiança, o treinador rejuvenesceu a seleção brasileira, trouxe nomes que estão atuando em alto nível no futebol europeu como Lucas Paquetá e Vinicius Junior, peças que certamente serão fundamentais no futuro da equipe nacional.
Contratado pelo Milan em outubro, o meia brasileiro de 21 anos chegou à Itália apenas em janeiro e já se tornou titular absoluto no time de Milão. Vinicius Junior é mais novo, tem apenas 18 anos, e vem assombrando a Europa com grandes partidas e muita maturidade com a camisa do Real Madrid.
Na seleção brasileira, certamente os dois atletas revelados pelo Flamengo conseguirão contribuir muito. Com excelente qualidade de passe, boa movimentação e chegada ao ataque com qualidade, Paquetá é um jogador com a cara do futebol moderno. Talentoso, pode desempenhar a função já exercida por Renato Augusto e disputar posição com Philippe Coutinho, dando movimentação importante na engrenagem do meio-campo.
Vinicius Junior é uma joia a ser lapidada. O talento do jovem que já é titular do Real Madrid impressiona. No primeiro momento, ainda sem Neymar, deve desempenhar a função do craque do PSG, mas é um excelente nome para disputar posição com o camisa 10, ou até mesmo formar grande trio de ataque ao lado do atleta revelado pelo Santos e Roberto Firmino.
Apesar da convocação de jovens, Tite ainda fez questão de apostar em alguns veteranos, dois em especial estão em alto nível e serão importantes. O primeiro é Daniel Alves. Com 35 anos, bem no futebol francês e diante da escassez de sua posição no Brasil, será importante testar o lateral novamente pensando no projeto a curto prazo da Copa América.
Thiago Silva é outro que merece ênfase. Com atuações de altíssimo nível na Copa do Mundo, foi um dos maiores destaques da equipe de Tite e ainda é importante na seleção. Além disso, será fundamental para passar experiência a jovens como Marquinhos e Éder Militão.
É certo que o Brasil possui jogadores de alto nível e esse processo de renovação da seleção está sendo bem feito. O desafio que fica para Tite é conseguir o encaixe ideal dos jovens talentosos, dando respaldo a eles em meio a atletas experientes, que ainda atuam em alto nível e não podem ser deixados de lado na disputa da Copa América.

Eduardo Martins 
 (jalesense, aluno do 3° ano de jornalismo da PUC-Campinas) 
Desenvolvido por Enzo Nagata