jornaljales@gmail.com
17 3632-1330

Jalesense Seixas e parceiro lançam primeiro disco autoral

O trabalho reitera a importância e influência da linguagem do Choro em produções de todos os cantos do Brasil.
06 de outubro de 2019
Luiz Carlos Seixas, à direita, com o parceiro Toninho Breves
Depois do Fim” é o nome do primeiro disco autoral de Toninho Breves e Luiz Carlos Seixas. O álbum foi lançado com um show realizado na Casa do Choro (Rio de Janeiro), em junho deste ano, e contou no palco com a participação de alguns músicos que também atuaram na gravação do CD: Cristóvão Bastos, Amélia Rabello, Fernando Leitzke, Pedro Paes, Aquiles de Moraes, Marcus Thadeu, Glauber Seixas e outros.
Dedicado a dois importantes nomes da Música Popular Brasileira (Maurício Carrilho e Chico Buarque), o disco não disfarça a influência de outros grandes compositores sobre o trabalho autoral de Breves e Seixas: Baden Powell, Moacir Santos, Edu Lobo, Dori e Dorival Caymmi...
O trabalho reitera a importância e influência da linguagem do Choro em produções de todos os cantos do Brasil, como constatado nos projetos “Princípios do Choro” e “Choro Carioca” (mapeamento e registro em centenas de gravações de algumas das mais de 8.000 obras resgatadas ou redescobertas por pesquisadores e historiadores do Instituto Casa do Choro). Ou seja, aquela produção de meados do Século XIX e início do Século XX dos projetos acima citados continua viva de Norte a Sul do Brasil neste Século XXI.
O repertório do álbum “Depois do Fim” traz canções dedicadas a Pixinguinha, Gershwin, Claudionor Cruz, Pedro Caetano e Muhammad Ali, além de fazer menção a nomes como Cândido Portinari e Zilda Arns.
Recentemente, João Cândido Portinari, filho único do genial pintor brasileiro, enviou uma mensagem aos compositores: “Caro amigo Luiz Carlos Seixas, fui lá no youtube, e parei tudo o que estava fazendo, para me emocionar diante da beleza, do sentimento que emana de “Duas Procissões”... Obrigado a você e Toninho Breves pelo carinho com a memória de meu pai! Gostaria muito de ouvir de novo, se possível, ao vivo. Vocês vão apresenta-la em algum momento? Com o gratíssimo e fraterno abraço do João Candido”.