jornaljales@gmail.com
17 3632-1330

Jales Futsal perde para a AABB pela Liga Paulista de Futsal

por l
17 de abril de 2017
Clóvis Pereira, presidente do Jales Clube: “Obras para atender bombeiros custam R$250 mil.”
Em sua primeira partida como mandante na Liga Paulista de Futsal (LPF), o Jales Futsal não se deu bem. Na noite da última quarta-feira, 12, o Jacaré foi derrotado pela Associação Atlética Banco do Brasil (AABB), pelo placar de 4 a 1, em partida disputada no Ginásio Municipal Antônio Ramon do Amaral, em Santa Fé do Sul.
O gol da equipe jalesense foi anotado por Kiki Frioli, nos últimos minutos do segundo tempo. Antes, no entanto, Ângelo, Cris e John, duas vezes, marcaram para o time da capital. O resultado mantém o time azul e vermelho zerado no Grupo A.
“O time começou muito bem. Depois, houve uma equipe. Mas os meninos jogaram demais. Tivemos muitas oportunidades, mas pecamos nas finalizações. Foram 32, ao todo. O adversário nos encurralou, e não conseguimos sair da pressão deles. Uma equipe muito forte, inclusive”, destacou o treinador, Élcio de Souza Oliveira.

Dentro de casa?
Luiz Felipe Pietrobom Chiaparini e Clóvis Pereira, presidente do Jales Futsal e do Jales Clube, respectivamente, não entraram em um acordo. Isso porque Clóvis não aceitou liberar o Ginásio da instituição – cuja capacidade é de oito mil pessoas – para que o time mandasse suas partidas.
“Nós temos uma série de obras que precisam ser feitas para atender às reinvindicações do Corpo de Bombeiros. Não é somente na quadra. Temos que instalar corrimões nas piscinas, retirar toda a madeira do salão social. Este problema já vem há dois anos. Nós até podemos tocar o clube, mas estamos proibidos de realizar algum evento grande – show e/ou jogo. Para reformar toda a estrutura do Jales Clube, deveria desembolsar cerca de R$ 250 mil. Não temos condições de fazer isso. Eu já havia conversado com o Luiz Felipe antes. Eu disse que não iria assumir este compromisso. Tivemos três reuniões com mais de duas horas cada. Eu poderia ceder as pistas de atletismo, as piscinas e a quadra para treinamento, desde que os atletas se tornassem sócios. Ele me procurou depois que tinha montado o time e isso dificultou ainda mais”, explicou Clóvis Pereira. Questionado se havia possibilidade de algum jogo específico ser disputado por lá, o mandatário foi claro: “chance zero”.
Sem nenhum local disponível, Lipão resolveu levar a partida para o solo santa-fé-sulense. Alguns esportistas jalesenses enfrentaram a estrada e foram prestigiar. Via redes sociais, inúmeros torcedores, sem conhecimento profundo da situação, criticaram a atitude dos responsáveis pelo Jales Clube.
Nos bastidores, alguns diretores do Jacaré foram aconselhados a jogar na Cooperjales/Objetivo, mas a ideia não foi levada adiante. Outro lugar estudado foi o Ginásio Municipal de Esportes, Dr. Waldemar Lopes Ferraz. No entanto, como o local é de posse pública, não haveria cobrança de ingressos. A quadra do Ginásio do Paraíso, Vera Lúcia Maldonado, não atende às exigências básicas da LPF.

Não muda
Durante a pré-temporada, os atletas treinaram no Ginásio do Jales Clube e nas quadras da Unijales e do Paraíso. Todavia, de acordo com o técnico Élcio, atuar em Santa Fé do Sul não trouxe nenhum prejuízo dentro das quatro linhas. “Independente do lugar que jogássemos, as quadras são 40x20. Não podemos usar este argumento para desculpa nenhuma”, argumentou.

Descanso
Depois do revés, os atletas do Jales Futsal ganharam folga até este domingo. O retorno das atividades está programado para acontecer amanhã. A próxima partida será diante do Magnus/Sorocaba, do craque Falcão, no dia 27, quinta-feira, ainda sem local definido.