jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

Homenagem Póstuma da esposa Ivone de Oliveira Fonseca Tsutiya para seu grande amor!

Prof. dr. Nelson Yukishigue Tsutiya, um apóstolo da ciência da cura
28 de abril de 2019
Ivone de Oliveira Fonseca Tsutiya, companheira de todas a horas e incentivadora da carreira do saudoso marido
Por Josiane Bomfim 

Ontem, dia 27 de abril, transcorreu o terceiro ano sem um dos mais competentes profissionais da medicina que trabalhou na região.
Na verdade, quando se fala em medicina logo se pensa — é uma das profissões consideradas mais importantes para a sociedade, já que está diretamente ligada à saúde e à vida.
Ao relacionar o saudoso Nelson Yukishigue Tsutiya com a prática de salvar vidas é impossível esquecer alguém que muito brilhantemente usou os dons que Deus lhe concedeu em abundância para ajudar milhares de pessoas ao longo de sua carreira, sem nunca ter feito nenhuma distinção de raça, credo ou posição social.
O saudoso dr. Nelson, que faleceu no dia 27 de abril de 2016, era respeitadíssimo pelos colegas por seu conhecimento científico e querido pelos pacientes já que, no exercício de sua atividade profissional sempre tratou a todos observando, já em seu tempo, os princípios que hoje são largamente difundidos e definidos pela palavra humanização.

TRAJETÓRIA
Vale recordar um pouco da carreira do dr. Nelson Tsutiya, esposo amoroso, cuidadoso e dedicado e com um currículo invejável. Formado em medicina pela Faculdade Bandeirante de Medicina de Bragança Paulista - SP (1979) e mestrado em Bioengenharia pela Universidade do Vale do Paraíba (2006), trabalhava como médico Clínico Geral do Ministério da Saúde, na Santa Casa de Misericórdia e na Secretaria de Estado da Saúde, em Jales.  Era, também especialista em Geriatria, Clínica Médica e área de atuação em Medicina de Urgência. Trabalhava ainda, como professor da graduação em Medicina na disciplina de Geriatria e preceptor do Internato Médico da Faculdade de Medicina de Fernandópolis-SP (UNICASTELO).
Ou seja, com currículo rico como este, faz-se necessário justificar esta homenagem póstuma como um tributo a quem fez da medicina um verdadeiro apostolado e até como um exemplo para as novas gerações de médicos.