jornaljales@gmail.com
17 3632-1330

Guizzo Controle de Pragas e Vetores participa de trabalho de repercussão nacional contra escorpiões

Guizzo explica que a gravidade da situação exige uma mobilização das autoridades para desenvolverem planos de ação, visando o controle desses animais.
02 de setembro de 2018
O trabalho da Guizzo Controle de Vetores e Pragas, em Rio Preto repercutiu na mídia nacional
A Guizzo Controle de Vetores e Pragas está participando de um trabalho de repercussão nacional, realizado em São José do Rio Preto, visando a prevenção de escorpiões, envolvendo a Vigilância Ambiental, SEMAE (Serviço Municipal de Água e Esgoto) e pelo Curso de Biologia da Unirp. O proprietário da empresa, José Antônio Guizzo, explica que a mesma sempre é contratada para ações de prevenções contra pragas em Rio Preto e várias outras cidades, mas esta é a primeira vez que uma ação dessa importância é realizada.
Depois de uma reportagem sobre esse trabalho em Rio Preto, no Jornal Nacional, praticamente todas as emissoras de televisão além dos grandes jornais da região passaram a acompanhar a ação desenvolvida no bairro Vila Flora, um dos mais afetados, onde ocorreu a termonebulização.  
A pulverização foi feita pela Guizzo no dia 22 de agosto com inseticidas específicos para o controle de escorpiões, liberados pelo Ministério da Saúde. Antes foi realizada a primeira catação (captura), quando as equipes estiveram nas casas avisando antes que iriam procurar os escorpiões à noite, para contagem do número desses animais por área. 
No período de pulverizações, os moradores são avisados que os escorpiões podem correr para as casas e precisam tomar cuidado. Os trabalhos se estenderão até novembro, quando serão mensurados os resultados. Dependendo do resultado o trabalho poderá ser estendido para outros bairros da cidade.

CARACTERÍSTICAS
Guizzo participou do Simpósio Nacional de Pragas e Vetores promovido pelo Instituto Biológico de São Paulo, onde recebeu muitas informações sobre escorpiões e como combatê-los.
“Em nossa região, o mais comum e mais perigoso é o escorpião amarelo. Ele não necessita de acasalamento para se reproduzir e adaptou-se de forma impressionante no ambiente urbano, pela grande oferta de abrigo e alimento, onde também não tem predadores naturais como sapos, lacraias, lagartos, corujas e outros”, afirma o empresário. 

PREVENÇÃO
“Conservar os ambientes limpos, sem entulhos, onde possa inibir a presença de insetos como, baratas, grilos e outros é uma das recomendações para evitar os escorpiões, além de eliminar frestas em paredes, azulejos, muros, vedar bem as caixas de gordura, vedar ralos de banheiros e todo local que possa facilitar abrigo”, aconselha Guizzo..
O uso de inseticidas deve ser feito com profissionais capacitados, pois o escorpião tem um sofisticado sistema sensorial e identifica a presença de produtos nocivos, como alguns inseticidas que podem deixá-lo alterado (nervoso). A aplicação de inseticida errado pode piorar a situação, levando o escorpião a entrar em estado de “tanatose” (fingir de morto) quando intoxicado, podendo se recuperar e se desalojar do ambiente em que se encontra.

CONTROLE
Guizzo explica que a gravidade da situação exige uma mobilização das autoridades para desenvolverem planos de ação, visando o controle desses animais com base em informações técnicas e pesquisa.
Existem inseticidas que são registrados nos órgãos competentes para controle de escorpiões, testados em laboratório que devem ser aplicados por empresas de controle de pragas registradas pela Vigilância Sanitária que oferecem este serviço de controle.