jornaljales@gmail.com
17 3632-1330

Gêmeas siamesas de Fernandópolis seguem internadas em Rio Preto, mas família tem esperança de alta breve

Por Fanclin Duarte (de Fernandópolis)
30 de junho de 2019
Santa Casa de Fernandópolis realizou parto inédito de gêmeas siamesas nesta semana
O caso das gêmeas siamesas que nasceram terça-feira, 25, em Fernandópolis está sob os cuidados da equipe médica do HCM - Hospital da Criança e Maternidade do de Rio Preto – para onde elas foram transferidas logo após o parto de emergência realizado na Santa Casa. A mãe das gêmeas já teve alta hospitalar e está na cidade. Nesta sexta-feira, foi a Rio Preto para a primeira visita às filhas. 
Embora o HCM não divulgue nenhuma informação sobre o caso, a família já foi informada pela equipe médica que não é possível realizar cirurgia para separação das irmãs.  As meninas estão internadas na UTI ainda respiram com ajuda de aparelhos, mas os médicos planejam retirar o oxigênio. A família já tem esperança de alta para as gêmeas nos próximos dias. 
Em Fernandópolis, a Santa Casa emitiu na quarta-feira, 26, uma nota sobre o parto de emergência realizado no dia anterior. Diz a nota: “A Santa Casa de Fernandópolis informa que nasceram na última terça-feira, dia 25, duas gêmeas siamesas em nosso Hospital. A família, que reside na cidade, estava sendo acompanhada pela equipe do Ambulatório de Alto Risco do Hospital da Criança e Maternidade de São José do Rio Preto, entretanto, em momento de emergência e com trabalho de parto avançado, a mãe foi atendida em nossa Maternidade. Diante do elevado risco à saúde da mãe e das crianças, foi necessária a realização de uma cesariana emergencial, procedimento de alto grau de complexidade, que contou com a participação da equipe médica de ginecologia e obstetrícia, pediatria, anestesiologia, enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas e outros que integram nossa equipe multiprofissional, sob a coordenação do obstetra José Roberto Penna, da pediatra Ana Tiemi, anestesiologista Humberto Escobar, enfermeiras Márcia Samartino, Gabriela Duran e Tânia Alessi e fisioterapeuta Liliane Betareli. Com os esforços desta equipe, os procedimentos foram exitosos e resultaram no nascimento das gêmeas siamesas, ligadas pelo tórax, que depois dos cuidados iniciais e da estabilização foram encaminhadas ao Hospital da Criança e Maternidade de São José do Rio Preto, já que não dispomos do serviço de UTI neonatal. A mãe permaneceu internada nesta Santa Casa até a tarde de hoje (quarta-feira), quando recebeu alta hospitalar”.
Em outro trecho, a nota aponta que “o acompanhamento pré-natal não possibilitava prever se as recém-nascidas apresentariam condições de vida extra útero e a informação fornecida hoje pelo Hospital da Criança e Maternidade de que as crianças estão vivas e passam bem é de grande satisfação para os familiares e para toda a equipe da Santa Casa de Fernandópolis, que não mediu esforços por estas vidas”. O parto das gêmeas siamesas foi o primeiro realizado pela Santa Casa de Fernandópolis desde a fundação há 70 anos. 
Nesta sexta-feira, 28, a mãe das gêmeas, Genifer Rezende Viana, de 21 anos, esteve no HCM em Rio Preto para visitar as bebês. Ela foi acompanhada da sogra, Rebeca Pinheiro Ferreira. 
Dona Rebeca confirmou que os pais das gêmeas foram morar com ela no Jardim Paraiso, diante das dificuldades financeiras que surgiram durante a gravidez e que eles vão precisar de ajuda, inclusive para montar o enxoval das crianças, que eles esperam ter alta em breve. 
Na quinta-feira, Genifer, que também é mãe de uma criança de três anos, concedeu entrevista ao site de notícias Região Noroeste e contou que descobriu no sexto mês que a gestação era de gêmeas siamesas, quando passou a ser acompanhada pela equipe médica do Hospital da Criança e Maternidade de São José do Rio Preto. A partir daí, viagens constantes a Rio Preto e realização de baterias de exames para acompanhamento da gestação.
 Segundo Genifer, a equipe médica chegou a orientar que parto fosse antecipado, diante do risco de morte da mãe. O caso foi parar na Justiça de Fernandópolis, com pedido de antecipação do parto que acabou negado. Ela negou ao site que pretendia realizar aborto ou qualquer procedimento que prejudicasse as filhas. Disse ainda ter ficado chateada com a divulgação da foto das crianças nas redes sociais.