jornaljales@gmail.com
17 3632-1330

Futebol pobre e sem evolução

Por Eduardo Martins
19 de maio de 2019
Eduardo Martins
Campeão paulista fazendo valer o estilo de jogo marcante implantado nos últimos anos, o Corinthians atingiu seu primeiro objetivo do ano mesmo sem encher os olhos e encantar seu torcedor. 
Apesar do sucesso inicial, a equipe de Fábio Carille continua sem evoluir seu futebol e apresenta enormes dificuldades em campo, um exemplo disso foi a derrota por 1 a 0 diante do Flamengo, na última quarta-feira, 15, em casa, pelo confronto de ida das oitavas de final da Copa do Brasil.
Em meio as barreiras e os problemas encontrados pelo Timão, um chama atenção: a difícil missão de chegar até o gol adversário. Mesmo com uma formação inicial ofensiva, com Mateus Vital, Sornoza, Clayson, Vagner Love e Boselli atuando juntos, o setor ofensivo alvinegro não conseguiu ser efetivo e pouco incomodou a defesa adversária.
A dificuldade de Boselli se firmar como centroavante titular, ou ao menos como um jogador de confiança para substituir Gustagol, é algo que impressiona pelo lado negativo até o momento. Contratado a peso de ouro no início do ano, o camisa 17 encontra enormes dificuldades para tramar boas jogadas com o restante do time, a cada dia fica mais isolado no setor de frente e tem apenas dois gols em 21 jogos.
No meio-campo, a armação de jogadas é algo que necessita evoluir de forma urgente e Carille precisa encontrar soluções. Mesmo com idade avançada, Jadson é o atleta do setor com maior qualidade técnica, mas a forma física é algo que faz a diferença e o time não pode depender do jogador de 35 anos como titular em todas as partidas.
Mateus Vital e Sornoza também precisam ser cobrados e ambos possuem condições de serem jogadores importantes para o setor. O equatoriano conseguiu ser decisivo na final do Paulistão com passe brilhante para Vagner Love, porém não mantém sua regularidade, enquanto o ex-vascaíno é capaz de marcar um golaço contra o Cruz-Maltino, mas logo em seguida desaparece da partida.
A certeza é que Carille e toda a comissão técnica corintiana tem a real noção de que a equipe não está bem e deve evoluir logo. Porém, esse crescimento precisa aparecer rápido, preferencialmente antes da Copa América. Caso não aconteça, a temporada vai se afunilar e poderá ser tarde demais.

Eduardo Martins 
 (jalesense, aluno do 3° ano de jornalismo da PUC-Campinas)