jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

FÔLEGO ...

Fique Sabendo
15 de maio de 2017
Itamar e a esposa Taisa, que foram padrinhos, ergueram brindes a Flaviane e Gibão
FÔLEGO – O deputado estadual Itamar Borges, líder do PMDB na Assembléia Legislativa, continua correndo os 90 minutos e a prorrogação. E com um detalhe: sem cansar. No sábado, 6 de maio, ele começou o dia em Bálsamo, participando do Encontro Regional do PMDB, com a presença do presidente estadual, deputado federal Baleia Rossi, empresário Paulo Skaf, presidente da Fiesp e pré-candidato do partido a governador, prefeito  de São José do Rio Preto, Edinho Araújo e dezenas de prefeitos, vice-prefeitos e dirigentes do partido, todos recepcionados pelo prefeito de Bálsamo, Du Lourenço. Às seis da tarde daquele sábado, Itamar podia ser visto no altar da Catedral de Jales como um dos padrinhos de casamento de Flaviane Rodrigues e Wladimir Prandi Franco (Gibão).  Ao chegar ao Galdino Eventos, local da recepção, o deputado cumprimentou, um a um, os 500 convidados. Por volta de meia noite, Itamar viajou para São Paulo para encontro, no dia seguinte, às 10 horas, na quadra da Escola de Samba Unidos de Vila Maria, campeã do carnaval paulistano em 2017, onde ele apoia um projeto social.

CAMA MÓVEL - O testemunho é de Taisa, esposa de Itamar. Segundo ela, o marido aguenta tanto repuxo porque, assim que entra no carro oficial, não demora mais que cinco minutos para cair no sono, às vezes até antes de chegar aos trevos das cidades onde vai, como Jales, por exemplo. Registre-se: contrariando o estilo beija-flor que o caracteriza, ficando sempre poucos minutos em festas, desta vez o deputado esticou até o começo da madrugada de domingo, inclusive fazendo o que normalmente não faz: tomando uma cervejinha.

 PETIÇÃO DE OUVIDO – Aproveitando a presença do deputado na festa, Cida Viola Rodrigues, mãe da noiva, chamou-o para um canto do salão e pediu o apoio dele (verbas) para a AACAJ (Associação de Apoio à Criança e Adolescente de Jales), entidade presidida por seu filho Junior Rodrigues,  ex-vereador e atual suplente, que só não é titular porque lhe faltaram apenas dois votos. 

RISCA – FACA - No melhor estilo “bateu, levou”, o deputado estadual Carlão Pignatari (PSDB), terceiro mais votado em Jales na última eleição, respondeu ao vereador paulistano Antonio Donato (PT), que deu declaração dizendo que João Doria é o prefeito “baleia azul”, que “quer levar o povo ao suicídio”. O parlamentar votuporanguense rebateu com um golpe abaixo da linha da cintura: “Antonio Donato gosta de dinossauros, que, além de atrasados, deixam a terra arrasada por onde passam. Igualzinho o PT”.  O tiroteio verbal entre Carlão e Donato foi publicado pela Folha de S. Paulo.

CORRIDA ELEITORAL- O empresário Rolandinho Nogueira  será candidato a deputado estadual pelo PSD. Um dos donos do conglomerado empresarial Rosa Mística, ele já se afastou das empresas para assumir a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico de Votuporanga. Através de um amigo comum, este comentarista perguntou a Rolandiho se eram verdadeiras as especulações sobre sua eventual candidatura, conforme corria à boca solta em Votuporanga.  Em resposta enviada  através de mensagem de texto, ele confirmou tudo e deu detalhes, como se verá no tópico seguinte.  

COSTAS QUENTES- Na mensagem eletrônica a qual este comentarista teve acesso, o dono da Rosa Mística afirma ter 100% de apoio do atual prefeito Dado, do ministro das Comunicações, Gilberto Kassab, cacique do PSD, e do segmento das funerárias.

CORRUPÇÃO - Osmar Gabriel, banespiano aposentado, atualmente corretor de imóveis, saiu na frente. Na edição de 24 de março, ele escreveu na coluna “Leitores” do Jornal de Jales, um texto intitulado “Vergonha de ser brasileiro”. Pois bem, Pesquisa Datafolha divulgada na edição de 2 de maio , no caderno Mercado, da Folha de S. Paulo, revela que “34% dos entrevistados sentem vergonha de ser brasileiros”. Osmar, que também é militante dos  movimentos católicos da Catedral, escreve com simplicidade e clareza e nunca mais do que 25 linhas corpo 14, padrão adotado, pós-internet, por quem deseja ser lido na mídia impressa.