jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

Fatec realiza I Jornada Acadêmica, Científica e Tecnológica

Por Prof.ª Dr.ª Selma M. S. Fávaro
16 de dezembro de 2018
Na Jornada Acadêmica da Fatec, foram apresentados 52 trabalhos
Com o objetivo de divulgar a produção de ensino, pesquisa e extensão, a Faculdade de Tecnologia Professor José Camargo - Fatec Jales realizou a I Jornada Acadêmica, Científica e Tecnológica, envolvendo as áreas de Recursos Naturais, Gestão e Negócios e Informação e Comunicação. 
No dia 10 de dezembro, os pesquisadores, estudantes da própria faculdade, bem como de outras instituições, promoveram um caloroso espaço de intercâmbio de conhecimento envolvendo ciência e tecnologia, por meio da divulgação de 52 artigos, sob a forma de pôster ou comunicação oral.
Os trabalhos apresentados, que passaram pelo crivo de vários especialistas após o processo de submissão, podem trazer grandes contribuições a organizações, apresentando um enorme potencial de expansão de estudos.

Universitário propõe museu digital

Um dos projetos apresentados foi o do aluno Gilberto Angeluci Junior, orientado pelo professor Jorge Luís Gregório, baseando-se em uma pesquisa realizada com professores da rede estadual e municipal de Jales (SP), assim como estudantes de Pedagogia, que tem matéria especifica sobre a história de espaços públicos municipais, em um total de 60 entrevistados.  
Referida pesquisa mostra que faltam recursos para a preservação e o acesso à memória histórica municipal, que atualmente depende quase exclusivamente de publicações jornalísticas e livros.
 O trabalho apresentou uma proposta para a utilização de site que foca na preservação de documentos de forma digital, objetivando o acesso a documentos históricos de maneira mais ágil. 
Gilberto contou com a parceria do Jornal de Jales e do historiador Genésio Mendes Seixas, que disponibilizaram seus acervos históricos e livros, em especial o Projeto MEMÓRIA, do J.J., como projeto piloto, além disso, discutiu-se questões sobre a importância da preservação da memória documental, seus custos, bem como seu papel para a formação do cidadão. 
Foi proposto a criação de um museu digital colaborativo no qual o próprio cidadão pudesse publicar fotos e documentos: “isso vem de encontro a incentivos dados por órgãos internacionais como a UNESCO, que veem na digitalização de documentos uma forma de dar mais visibilidade a história municipal, que vem a ser o átomo que constitui a sociedade”, disseram os autores do projeto.

Fotos: Josiane Bomfim