jornaldejales@melfinet.com.br
17 3632-1330

Ex-vereador defende parceria com empresários para novo aeroporto

por Luiz Ramires
18 de fevereiro de 2018
Rivelino quer que os projetos da venda do aeroporto e do estádio municipal sejam levados adiante, com ampla discussão com a comunidade
Fazer uma Parceria Público-Privada, envolvendo os empresários, agropecuaristas e outros proprietários de aeronaves para construir um novo aeroporto em uma área que poderá ser adquirida pela Prefeitura, podendo ser no sentido planejado pelo fundador da cidade, Euphly Jalles, próximo ao Bairro Ribeirão Lagoa. Caso contrário, esses donos de aeronaves devem se utilizar da infraestrutura dos aeroportos da região. Essa é a proposta do ex-vereador Rivelino Rodrigues que entrou pelo whatsapp na discussão da venda do aeroporto e do estádio municipal. 
Quando ao estádio, ele afirma que não é contra o esporte e que existem muitas praças esportivas que são pouco utilizadas, como a do Jardim Paraíso, o campo da Fepasa, o campo ao lado da antiga Facip, o campo da Vila União e o campo do Jardim Arapuã. Jales, segundo ele, precisa reencontrar o caminho do seu crescimento e para isso são necessários recursos financeiros. 

WHATSAPP
Rivelino se manifestou no whatsapp para lembrar que o problema da venda do aeroporto e do estádio municipal é antigo, desde o tempo em que ele foi vereador pela primeira vez, de 2001 a 2012. No seu primeiro mandato, quando Flá também era vereador ele apresentou uma indicação propondo a venda do estádio e do aeroporto e da área do pátio da antiga Fepasa, para que o dinheiro das vendas fosse destinado ao pagamento da dívida que o município tinha com a família Jalles, pela desapropriação da área onde foi instalado o Distrito Industrial II.

OUTRA ÁREA
O ex-vereador aproveitou para fazer outra sugestão. Ele disse que existe uma área do município na Avenida José Rodrigues, na esquina com a Rua dos Escoteiros, composta de uma quadra que frequentemente, nos períodos de seca pega foto, muitas vezes obrigando os moradores da vizinhança a chamar o Corpo de Bombeiros. Sua sugestão é que a Prefeitura venda também aquela área, depois de fazer a divisão em lotes, destinando o dinheiro para a construção das galerias do Jardim do Bosque. 

PROJETOS
A venda do aeroporto não foi incluída nas propostas apresentadas pelas comissões temáticas que em novembro de 2015 divulgaram o resultado dos estudos sobre o estádio municipal e o terminal rodoviário, propondo a venda do primeiro e a reforma do segundo para ser o novo paço municipal. Na oportunidade também foram apresentadas sugestões para o ensino superior, a decoração natalina e a cultura, além de um estudo criando mecanismos de incentivos fiscais para a instalação de novas empresas no município.

CÂMARA
Agora a discussão sobre a venda do aeroporto volta por iniciativa do vereador Adalberto Francisco de Oliveira Filho (MDB) que na última sessão da Câmara Municipal retomou o assunto, através de moção assinada também pelos seus colegas Claudecir José dos Santos (DEM), Luiz Henrique Viotto (PP) e Nivaldo Batista de Oliveira (PSD). Ele disse que chegou o momento de retomar o debate, para que a Prefeitura possa ter recursos para promover melhorias para a população. 
Como já havia se pronunciado no ano passado, o vereador insistiu na construção de um novo aeroporto e de um centro esportivo, como foi proposto pela comissão temática, lembrando que sobraria um bom dinheiro para promover melhorias em locais como o Distrito Industrial III, o Jardim do Bosque e o Parque das Flores. Ele disse que só com a venda do estádio o município poderia arrecadar até R$ 26 milhões.